Projecto Ocean Revival

Corveta "Oliveira e Carmo" e navio-patrulha "Zambeze" já estão no fundo do mar

Corveta Oliveira e Carmo demorou pouco mais de dois minutos a afundar
Fotogaleria
Corveta Oliveira e Carmo demorou pouco mais de dois minutos a afundar Foto: Luís Costa
Corveta vai ficar a 30 metros de profundidade, com a parte mais alta a 15 metros
Fotogaleria
Corveta vai ficar a 30 metros de profundidade, com a parte mais alta a 15 metros Foto: DR

Foram precisos 2 minutos e 21 segundos para afundar a corveta "Oliveira e Carmo". Depois de detonados os quatro explosivos a bordo deste antigo navio de guerra, às 11h39, o naufrágio começou em câmara lenta até que, nos últimos segundos, a estrutura afundou rapidamente e caiu direita no fundo do mar, tal como planeado. O navio-patrulha "Zambeze" afundou, com menos espectáculo, às 16h07.

O cenário fazia lembrar um filme de guerra, gravado num dia cinzento. À hora marcada, 11h, vários barcos formavam um cordão de segurança a 900 metros da corveta "Oliveira e Carmo", que foi levada para cerca de 5,5 quilómetros (três milhas) ao largo de Alvor, em Portimão, onde vai ficar situado o museu subaquático do projecto Ocean Revival.

Estava tudo a postos para o primeiro naufrágio: dentro do navio foram colocadas 220 toneladas de betão para permitir que a embarcação – que pesa 1380 toneladas, tem 86 metros de comprimento e 3,6 metros de calado (parte do navio que fica dentro da água) – afundasse direita, sem se virar. Além disso, a bordo seguiam quatro explosivos de corte, importados dos Estados Unidos e colocados por uma consultora do Canadá, a Canadian Artificial Reef (CAR), especializada neste tipo de trabalho.

Antes, a corveta tinha sido limpa e descontaminada, removidos que foram todos os materiais considerados poluentes, em especial o amianto, que fazia parte da estrutura de ferro, já carcomida pela ferrugem. Foram também retiradas todas as peças que pudessem comprometer a segurança dos mergulhadores, segundo o comandante Gomes de Sousa, da Marinha Portuguesa.

Às 11h39, ouviram-se os primeiros estrondos – tudo para proporcionar um espectáculo a quem assistia, já que não houve verdadeiras explosões. O impacto abriu fendas em pontos nevrálgicos do casco do navio, deixando entrar uma enorme massa de água que pressionou as placas metálicas. Tudo isto demorou cerca de dois minutos, perante o olhar atento de dezenas de pessoas que estavam a bordo de barcos – alguns privados, outros da Polícia Marítima, outros destinados à comunicação social. Depois do suspense inicial, o peso do betão fez o resto e o navio caiu rapidamente direito ao fundo do mar.

Depois do afundamento, nove mergulhadores da Marinha Portuguesa desceram para uma inspecção ao navio e confirmaram que a estrutura caiu direita no fundo. A missão foi conseguida.

Já o naufrágio do outro antigo barco de guerra que vai integrar este parque, o navio patrulha "Zambeze", estava agendado para as 15h, mas atrasou-se uma hora.

As primeiras explosões a bordo do "Zambeze" foram ouvidas às 16h04 e às 16h07 o barco afundou, com menos espectáculo e impacto visual que o primeiro, deixando atrás de si um repuxo de água salgada. O procedimento usado para afundar o "Zambeze" foi idêntico ao da corveta, mas o facto de ter metade da dimensão (292 toneladas e 44 metros de comprimento) facilitou a operação. A camada de betão colocada na horizontal, para forçar o afundamento, foi também menor.

Começa assim a nascer o parque subaquático Ocean Revival, um projecto concebido por Luís Sá Couto e que resulta de uma parceria entre a sua escola de mergulho, Subnauta, e a Câmara de Portimão, com o apoio da Marinha Portuguesa, que cedeu quatro embarcações desactivadas. No próximo ano, à corveta e ao navio-patrulha afundados hoje deverão juntar-se o navio oceanográfico "Almeida Carvalho" e a fragata "Hermenegildo".

O objectivo do projecto é dinamizar o turismo subaquático ao largo da costa algarvia, com os barcos a servir de recife artificial para algumas das espécies marinhas do Atlântico.

Segundo a organização, os barcos vão ficar a 30 metros de profundidade, com a parte mais alta a 15 metros. O tempo médio de mergulho a esta profundidade ronda os 40 minutos, pelo que serão precisos quatro ou cinco mergulhos para conhecer de uma ponta à outra a corveta "Oliveira e Carmo", segundo Luís Sá Couto.

Quem não pôde estar no local e ver de perto os naufrágios, teve oportunidade de assistir através do site ustream. A organização colocou online a gravação dos dois naufrágios, que pode ser vista aqui e aqui ou no PÚBLICO (leitor de vídeo no fim deste texto, com excepção das aplicações móveis).

Notícia actualizada às 13h37, às 14h55 e às 16h50:

Acrescenta informações sobre a corveta e a confirmação de que o navio caiu direito no fundo do mar; corrige referência à quantidade de betão colocada no navio (220 toneladas, e não 220 mil toneladas); e acrescenta informação sobre o afundamento do "Zambeze"