Eleições

Vieira reeleito presidente do Benfica com 83% dos votos

Foto

Os sócios do Benfica apostaram na continuidade e reelegeram ontem Luís Filipe Vieira como presidente do clube para o seu quarto mandato. Vieira voltou a ter uma maioria esmagadora (83,02%), mas inferior em relação a outras votações (95,6% em 2006, 91,7 em 2009 e 90,5 em 2003), enquanto Rui Rangel, o líder da Lista B, obteve apenas 13,83%. Votaram 22.676 sócios, o que corresponde à maior votação de sempre da história do clube, ultrapassando o anterior recorde fixado em 2000, quando Manuel Vilarinho bateu Vale e Azevedo, com 21.804 sócios votantes.

Vieira recolheu a preferência de 18.139 sócios votantes, o que corresponde a um total de 383.988 votos. Em Rangel votaram 3.744 sócios que valeram 64.299 votos. Foi a primeira vez que o agora reeleito presidente ficou abaixo dos 90% dos votos, sendo, ainda assim, a sexta maior diferença em eleições do clube.

Serão quatro anos (a primeira vez que tal acontece) de um mandato que irá durar até 2016 e que transforma Vieira, de 63 anos, no presidente há mais tempo no cargo, ultrapassando Bento Mântua, que dirigiu o clube entre 1917 e 1926. Acabou por não se fazer sentir nas urnas o acto de contestação que ocorrera no início do mês com o chumbo das contas do último exercício em Assembleia Geral, após o qual foi anunciada a candidatura de Rangel. Vieira vai ter a oportunidade de prosseguir o seu modelo de gestão, apostando mais no investimento e mantendo o passivo consolidado inferior a 370 milhões de euros sob controlo.

O juiz desembargador de 54 anos lançou a candidatura a menos de duas semanas do acto eleitoral e, apesar das intervenções públicas diárias, não conseguiu convencer os benfiquistas com o seu discurso de ruptura com uma gestão que considera ruinosa. A Rangel, que pretendia ser um presidente remunerado caso fosse eleito, restará ficar como um rosto de oposição a Vieira e pensar numa eventual candidatura em 2016.

Nos últimos dias de uma campanha em que não houve debate entre os dois candidatos, mas muitas acusações de parte a parte, Vieira lançou um dos seus grandes trunfos, o corte de relações com a Olivedesportos no que diz respeito aos direitos televisivos. Depois da última proposta da empresa de Joaquim Oliveira, 111 milhões divididos por cinco anos, o presidente “encarnado” avançou para a solução de transmitir os jogos na Benfica TV, mas não esclarecendo exactamente em que moldes, com que parceiros ou que receitas espera obter com este modelo.

Terá, porém, a seu lado José Eduardo Moniz, um especialista no audiovisual, que entrou na lista vencedora depois de, em tempos, ter sido uma voz muito crítica. Foi uma lista para a qual Vieira chamou muitos dos seus fiéis (Rui Gomes da Silva, Rui Cunha) e também antigos opositores (Moniz e Varandas Fernandes).

No que diz respeito ao futebol, que continuará a ter Rui Costa como um dos rostos, Vieira traçou objectivos ambiciosos para o mandato: três títulos nacionais e a presença numa final europeia, sendo que o ideal para os “encarnados” seria estar na final da Liga dos Campeões de 2014, que se realiza no Estádio da Luz — nos três primeiros mandatos do actual presidente, o Benfica conquistou dois campeonatos e não foi a qualquer final europeia. Quanto ao futuro de Jorge Jesus, Vieira não se comprometeu com a continuidade do técnico para lá da próxima época.

A lista vencedora DIRECÇÃO

Presidente: Luís Filipe Ferreira Vieira


Vice-Presidente: Rui Manuel Frazão Henriques da Cunha


Vice-Presidente: Rui Gomes da Silva


Vice-Presidente: Domingos José Soares d’Almeida Lima)


Vice-Presidente: José Eduardo Soares Moniz


Vice-Presidente: Nuno Ricardo Gaioso Jorge Ribeiro


Vice-Presidente: João Manuel Varandas Fernandes


Vice-Presidente (suplente): Alcino Morgado António


Vice-Presidente (suplente): Sílvio Rui Neves Correia Gonçalves Cérvan


ASSEMBLEIA GERAL

Presidente: Luís Filipe Nunes Coimbra Nazaré


Vice-Presidente: Virgílio Duque Vieira


1.º Secretário: Jorge Ascensão de Mendonça Arrais


2.º Secretário: Bernardo Soares de Albergaria e Sousa


Secretário (Suplente): Ricardo Fortuny Martorell


CONSELHO FISCAL

Presidente: Nuno Afonso Henriques dos Santos


Vice-Presidente: Rui António Gomes do Nascimento Barreira


Vogal: Gualter das Neves Godinho


Vogal: João de Castro e Quadros da Costa Quinta


Vogal: José Manuel da Silva Appleton


Vogal Suplente: João Carlos L Simões Paço


Notícia actualizada às 23h43