Paolo Gabriele poderá ainda beneficiar de um perdão de Bento XVI

Antigo mordomo do Papa deverá cumprir pena numa prisão do Vaticano

Paolo Gabriele acompanhava sempre Bento XVI
Foto
Bento XVI com o ex-mordomo (lugar da frente) Alessandro Bianchi/Reuters

O ex-mordomo de Bento XVI, Paolo Gabriele, deverá cumprir pena numa prisão do Vaticano, depois de ter sido condenado a 18 meses de prisão por divulgação de documentos secretos. A totalidade da sentença foi divulgada nesta terça-feira, tendo sido também marcado para 5 de Novembro o início do julgamento do informático Cláudio Sciapelleti, também acusado no âmbito do escândalo Vatileaks.

Gabriele está em prisão domiciliária desde Julho, depois de ter passado 53 dias em prisão preventiva, e poderá ainda beneficiar de um perdão do Papa. Mas se isso não acontecer, a sentença do Tribunal do Vaticano, que agora foi publicada, determina que cumprirá a pena numa prisão do Vaticano não muito longe do seu domicílio.

Na sentença é estabelecido que Gabriele não poderá beneficiar de uma suspensão da pena, ainda que o porta-voz do Vaticano, Frederico Lombardi, tenha admitido que o próprio Bento XVI poderá conceder um perdão. “Isso é possível”, adiantou, citado pelo El País, sublinhando que “ninguém sabe” quando é que poderá ser tomada uma decisão.

A 6 de Outubro, quando a sentença foi anunciada e o antigo mordomo de Bento XVI foi condenado por “roubo agravado de documentos” secretos do Vaticano, Lombardi referiu a possibilidade de ser concedido um perdão e considerou-a “concreta e verosímil”. O porta-voz da Santa Sé disse ainda que não existe um acordo com as autoridades italianas para estes casos e que há condições no Vaticano para que Gabriele fique detido.

No texto da sentença é referido que, dada a natureza da pena – Gabriele foi condenado a três anos de prisão que foram reduzidos para ano e meio devido a várias atenuantes – “não se podem aplicar os benefícios da lei no que se refere a suspensão da pena”. O ex-mordomo de Bento XVI recusou apresentar recurso, mas o procurador do tribunal, Giovanni Giacobbe, poderá ainda fazê-lo nos próximos 40 dias.

Entretanto, Lombardi anunciou que foi já agendado, para 5 de Novembro, o julgamento de Cláudio Sciarpelletti, um informático de 48 anos acusado de cumplicidade no processo de divulgação dos documentos secretos que poderá ser condenado a um ano de prisão. O seu advogado, Gianluca Benedetti, tem alegado que Sciarpelletti está inocente e não encobriu a divulgação dos documentos, ainda que tenha sido encontrado no seu gabinete um envelope destinado a Gabriele com alguns documentos secretos.

Sugerir correcção