PS acusa Governo de propor cortes “devastadores” nas prestações sociais

O PS acusou hoje o Governo de estar de “cabeça perdida” ao propor cortes “devastadores” nas prestações sociais e apelou aos parceiros sociais que se oponham à entrada em vigor dessas medidas.

As acusações foram feitas pelo deputado socialista, depois de o executivo ter anunciado que enviou para discussão em concertação social um diploma de reforma das prestações sociais.

“O Governo parece a cada dia estar cada vez mais de cabeça perdida. Fora do Orçamento do Estado para 2013 e do Orçamento Rectificativo deste ano, ficou hoje a saber-se que ainda este ano o Governo envia para os parceiros sociais um diploma devastador do nosso Estado social”, apontou o ex-secretário de Estado socialista.

Segundo Pedro Marques, o Governo pretende cortar “o apoio aos idosos mais pobres”, designadamente o complemento solidário para idosos.

“De acordo com a proposta, ao nível dos complementos de dependência - um apoio que os idosos recebem quando estão em situação de dependência -, quem tiver mais de 600 euros de pensão fica sem esse apoio. São ainda cortados os subsídios por morte”, apontou, antes de se insurgir contra a “nova” redução das prestações destinadas a crianças e mães carenciadas.

Pedro Marques disse ainda que o Governo se prepara para reduzir em cerca de 41 euros os subsídio de desemprego mínimo e o subsídio social de desemprego.

“Temos um ministro Mota Soares completamente de cabeça perdida. Os pobres e os desempregados não podem ser considerados variáveis de ajustamento”, criticou o deputado do PS.

No plano político, Pedro Marques afirmou contar com “a força” dos parceiros sociais para travar a proposta do Governo e adiantou que o PS se oporá a estas medidas de forma “firme”.