Estado promete financiar ideias de jovens empreendedores. European Parliament/Flickr
Foto
Estado promete financiar ideias de jovens empreendedores. European Parliament/Flickr

Estado promete financiar ideias empreendedoras de jovens licenciados

O "Passaporte para o Empreendedorismo" é a primeira fase de um plano de três etapas e inclui uma bolsa de 692 euros mensais

Em 2013, o Governo promete financiar ideias empreendedoras de jovens finalistas ou recém-licenciados: O "Passaporte para o Empreendedorismo" é a primeira fase de um plano de três etapas e inclui uma bolsa de 692 euros mensais. 

A partir do próximo ano, segundo o "Jornal de Negócios", o Governo quer potenciar três ferramentas para os jovens empreendedores (recém-licenciados ou finalistas) criarem as suas próprias empresas: o "Passaporte para o Empreendedorismo", o "Vale Empreendedorismo" e a "Plataforma de Ignição".

O pacote de ajuda engloba um conjunto de medidas de incentivo e financiamento, que abrangem o ciclo de vida de uma "start-up": da ideia ao desenvolvimento. Através do "Passaporte para o Empreendedorismo", a primeira fase do projecto, os jovens conseguem uma bolsa mensal de apoio, no valor de 1,65 IAS (Indexante de Apoios Sociais) - o que equivale a cerca de 690 euros, tendo em conta que o IAS do ano corrente corresponde a 419,22 euros e não há previsão de que seja alterado.

O objectivo é que o projecto se estabeleça e que o jovem licenciado desenvolva a ideia. Cada projecto poderá receber, só no primeiro ano, cerca de 23 mil euros. Já na fase de arranque do projecto, o "Vale Empreendedorismo" entra em ação.

Destinado a empresas no seu primeiro ano de actividade, concede um apoio de 15 mil euros para o desenvolvimento do plano de negócios da organização. No espaço de um ano, os projectos serão financiados com cerca de 23 mil euros: os 690 euros mensais mais os 15 mil do apoio ao desenvolvimento.

Entretanto, a última etapa passa pela "Plataforma de Ignição", que pretende identificar potenciais oportunidades e acelerar o desenvolvimento das empresas mais inovadoras. Para isso, fomenta a articulação entre os promotores do sistema de empreendedorismo e inovação com a Portugal Ventures.

No documento, o Governo diz que esta medida "permite um aumento da competitividade por via da redução de custos não salariais". O Orçamento de Estado de 2013 prevê ainda a possibilidade de reembolso das prestações do empregador para a Segurança Social, um meio de reduzir os custos não associados aos salários e que passa por ajudar a aumentar a competitividade das empresas. O próximo ano promete ser favorável aos jovens que desejarem criar os seus próprios planos de negócio para criarem os próprios empregos - uma atitude que é agora incentivada pelo Estado.