Carlos Moedas garante que processo de privatizações foi “transparente”

Carlos Moedas, o secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro
Foto
Carlos Moedas, o secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro Foto: Fernando Veludo/Nfactos

O secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Carlos Moedas, assegurou esta segunda-feira, em Nova Iorque, onde participa numa iniciativa na bolsa para promover Portugal junto dos investidores internacionais, que o processo de privatizações da EDP e da REN foi “transparente”.

O governante comentava a notícia do PÚBLICO onde se revela que Miguel Relvas e José Maria Ricciardi, do BES Investimento, foram escutados a conversar sobre as privatizações da EDP e da REN, no âmbito das investigações ao caso Monte Branco.

O secretário de Estado Adjunto diz que “a grande conclusão destas privatizações é que todas foram transparentes. Todos aqueles que estiveram envolvidos disseram que [o processo] foi transparente e ganhou o melhor”. E lembrou que o programa de privatizações “é um ponto diferenciador daquilo que é o nosso programa de ajustamento e, obviamente, que lhes vou descrever como esse programa tem estado a correr acima das expectativas.”

Carlos Moedas esteve hoje na capital financeira norte-americana a tocar a campainha que simboliza a abertura da Bolsa de Nova Iorque nas comemorações do ‘Dia de Portugal’, que se realizam pela quarta vez. O evento contou com a participação de 17 empresas portuguesas, assim como do presidente do Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público (IGCP), João Moreira Rato.