Caso Tecnoforma

Passos nega que empresa que geriu tenha sido favorecida por Relvas

Foto
Francisco Leong/AFP

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, voltou a negar nesta segunda-feira que uma empresa onde trabalhou vários anos tenha sido beneficiada por Miguel Relvas com contratos para acções de formação.

“Não existe, na minha vida como gestor de empresas, nada que seja objecto de censura ou que tenha envolvido do ponto de vista ético qualquer favorecimento para as empresas por onde passei”, disse Passos Coelho, à margem de uma conferência sobre emigração, no Porto.

Entre 2002 e 2004, a empresa Tecnoforma, da qual Passos foi administrador, dominou por completo os financiamentos de um programa de formação profissional tutelado por Miguel Relvas, então secretário de Estado da Administração Local.

“Na empresa em causa trabalhei vários anos e ela nunca beneficiou de qualquer favor, muito menos que tivesse sido solicitado por mim”, disse o primeiro-ministro.

“Nunca pedi favores a ninguém, nem de ordem política nem de ordem profissional”, acrescentou.