Ex-mordomo do Papa condenado a 18 meses de prisão por furto

Paolo Gabriele enfrentava uma acusação que poderia valer três anos de cadeia
Foto
Paolo Gabriele enfrentava uma acusação que poderia valer três anos de cadeia Foto: Alessandro Bianchi/Reuters

O Tribunal do Vaticano condenou, neste sábado, o ex-mordomo do Papa Bento XVI, Paolo Gabriele, a ano e meio de cadeia. Gabriele foi considerado culpado de furtar documentos classificados. Apanha três anos de prisão, mas o tribunal reduziu a pena para metade.

A acusação tinha pedido três anos de cadeia. O veredicto foi lido nesta manhã, após duas horas de deliberação.

O presidente do tribunal, Giuseppe Dalla Tore, explicou que a pena foi reduzida devido os "serviços de Estado" prestados pelo acusado, que estava "convencido – erradamente – que assim serviria a Igreja".

A favor do ex-mordomo foi tido em conta ainda "a conduta do arguido no processo" e a "consciência de que tinha traído o Papa", noticia a agência AFP. Além da pena de prisão, vai ter de pagar as custas do processo.

"É um bom veredicto, equilibrado", comentou a advogada de defesa, Cristiana Arru. "Vamos analisar a sentença e avaliar se é oportuno apresentar recurso", acrescentou.

Paoletto, um empregado-modelo

Paolo Gabriele foi a julgamento acusado de furto agravado, acusação que a defesa do arguido tentou ver reduzida a "apropriação ilícita", que teria uma moldura penal mais suave. Aliás, a defesa pediu mesmo que o tribunal deixasse sair Paolo - conhecido como "Paoletto" – em liberdade.

O tribunal considerou provado que o ex-mordomo de Bento XVI desviou documentos confidenciais do Vaticano, num caso que fica para a história com o nome de "Vatileaks".

Outrora considerado um empregado-modelo, Gabriele, de 46 anos, tinha na sua residência milhares de cartas e outra correspondência (como fax), além de textos diversos, alguns dos quais escritos pela própria mão de Bento XVI.

Casado, pai de três filhos, "Paoletto" é oriundo de uma família bem conhecida de todos os 594 cidadãos do Estado do Vaticano, o mais pequeno do mundo, nota a AFP.

Um crime por amor "visceral" à Igreja

A quarta e última sessão do julgamento realizou-se perante uma audiência restrita de dez jornalistas que puderam acompanhar o caso durante uma semana, em tribunal.

Antes do veredicto, que foi produzido em duas horas, o acusado declarou em tribunal, numa voz impávida e serena, segundo descreve a agência Reuters, que fez o que fez por um amor "visceral" à Igreja Católica.

Notícia em actualização