Filipe de Botton: António Borges “demonstra total ignorância do que é o tecido empresarial português”

“Está a ter uma atitude que demonstra total ignorância do que é o tecido empresarial português”, reagiu o empresário Filipe de Botton, defensor de que a redução da TSU para as empresas “não faz qualquer sentido” e revela uma “insensibilidade social perfeitamente inaceitável”.

O consultor do Governo para as privatizações, António Borges, defendeu este sábado que a TSU é uma medida “inteligente” e acusou os empresários que a criticaram de serem “ignorantes”.

Em declarações à Lusa, Filipe de Botton disse que “é pena que [António Borges] fale sem conhecimento”, acrescentando que o consultor do Governo em matéria de privatizações “nunca trabalhou na vida, nunca teve de pagar salários e não sabe do que está a falar”.

Quando o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, anunciou a intenção de reduzir a TSU para as empresas e aumentar a contribuição dos trabalhadores para a Segurança Social, o empresário considerou que a medida demonstra “uma insensibilidade social que é perfeitamente inaceitável” e defende que a poupança resultante da redução da TSU não terá qualquer impacto no emprego.

António Borges interveio no I Fórum Empresarial do Algarve, que decorre este fim de semana em Vilamoura e reúne mais de 300 empresários, economistas e políticos de Portugal, Brasil, Angola, Índia, Emirados Árabes Unidos e Moçambique.

“Que a medida é extremamente inteligente, acho que é. Que os empresários que se apresentaram contra a medida são completamente ignorantes, não passariam do primeiro ano do meu curso na faculdade, isso não tenham dúvidas”, afirmou.

Admitindo que a medida implica perda de poder de compra “para muita gente”, António Borges considerou, no entanto, que quem acha que “o programa de ajustamento português se faz sem apertar o cinto, está com certeza um bocadinho a dormir”.

Aquele responsável discordou ainda que, com a TSU, se proceda a uma transferência dos rendimentos do trabalho para o capital, já que o problema do país é estar “completamente descapitalizado”.

“Parece que voltámos todos ao Marxismo: o capital é uma coisa má, temos que o destruir”, referiu, criticando o facto de as pessoas dizerem que “não podem ajudar o capital”.

Sugerir correcção
Comentar