Tim Burton e Oliveira no Plano Nacional de Cinema que começa em 23 escolas

Foto

Chaplin, Tim Burton, Truffaut, Spielberg, Scorsese, Kiarostami, Oliveira, Fernando Lopes, Luís Filipe Rocha, Edgar Pêra, Salaviza, Regina Pessoa fazem parte do programa do Plano Nacional de Cinema (PNC), criado pela Secretaria de Estado da Cultura e pelo Ministério da Educação e Ciência.

Obras de Charlie Chaplin, Tim Burton, François Truffaut, Spielberg, Scorsese, Abbas Kiarostami, Manoel de Oliveira, Fernando Lopes, Luís Filipe Rocha, Edgar Pêra, João Salaviza, Regina Pessoa fazem parte do programa do Plano Nacional de Cinema (PNC), criado pela Secretaria de Estado da Cultura e pelo Ministério da Educação e Ciência, que foi apresentado nesta sexta-feira de manhã, na Cinemateca, em Lisboa.

Francisco José Viegas salientou que esta lista de filmes não resultou de gostos pessoais, foi um trabalho que envolveu também agentes do sector "Não houve nenhuma preocupação de instituir uma quota para o cinema português, mas a lista tem mais de 50 por cento de filmes portugueses", acrescentou o secretário de Estado da Cultura.

O Plano Nacional de Cinema começa a funcionar este ano lectivo em 23 escolas do ensino básico e secundário, públicas e privadas, em todos os distritos, na forma de um plano piloto que abrangerá cerca de três mil alunos.

Haverá uma escola por cada distrito, duas no do Porto, três no de Lisboa e três no de Faro. A escolha das escolas, explicou na cerimónia a secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário, Isabel Leite, decorreu primeiro de um processo de consulta aos estabelecimentos de ensino e de uma selecção posterior entre aquelas que manifestaram interesse em participar. Em cada uma dessas escolas, o plano será desenvolvido por um professor coordenador, sob a direcção e com a responsabilidade do director da escola ou do agrupamento.

O programa do Plano Nacional de Cinema abrange longas e curtas-metragens de vários géneros - cinema mudo, westerns, musicais, cinema de animação e documentário. O que lhe serviu de base foi o Programa JCE - Juventude Cinema na Escola, que existe desde 1998, e foi dirigido por Graça Lobo, antiga responsável pelo Cineclube de Faro, que coordena agora o PNC e esteve na conferência de imprensa ao lado do Secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, e de Isabel Leite.

O PNC está inscrito na recém-aprovada Lei do Cinema e do Audiovisual, com o objetivo de impulsionar a criação de novos públicos através da promoção de "um programa de literacia para o cinema junto do público escolar para a divulgação de obras cinematográficas de importância histórica".

Querem "ter adolescentes que daqui a alguns anos saiam das escolas a saber que o cinema não começou com Tarantino, não começou com os filmes de há dois ou três anos. Tem uma história, tem património comum", explicou Viegas. Irão aproveitar a rede de cineteatros, cineclubes e auditórios do país, e os custos sobre direitos de exibição de obras cinematográficas serão suportados pelo Instituto do Cinema e Audiovisual. tal como estava previsto na nova lei.

No próximo ano lectivo, o plano poderá ser alargado a mais escolas do país, que se queiram associar ao projecto, e aos restantes níveis de escolaridade, incluindo os primeiros anos do ensino básico. E está também a ser preparada a criação de um Plano Nacional da Música, adiantou o secretário de Estado da Cultura.