A rentrée das memórias e biografias e do regresso de autores consagrados

Foto
Mário de Carvalho mudou-se para a Porto Editora, onde lançará duas novelas inéditas, e a Assírio & Alvim vai publicar os diários do poeta Al Berto. Pedro Cunha
O poeta Al Berto tinha um diário. Embora não haja uma organização definida pelo autor, nem ele tenha deixado indicações quanto à edição dos diários, a editora Assírio & Alvim decidiu "de acordo com a vontade dos herdeiros legais e, ao mesmo tempo, fazendo eco do desejo de Al Berto, tornar públicos estes documentos privados". Na conferência de apresentação da rentrée do grupo Porto Editora esses Diários do poeta de O Medo foram anunciados como uma das apostas para Outubro. "Não se trata de ir coscuvilhar uma gaveta perdida do poeta", explicou Vasco David, da Assírio & Alvim, que assegura que esta obra "surpreenderá" não só pelo "olhar que fornece em relação à vida privada de Al Berto", mas também porque ali surgem pela primeira vez trechos que foram depois aproveitados para os seus livros. Além de "uma janela para a vida", os Diários de Al Berto são "uma janela para a obra". 

Também na Assírio & Alvim sairá o livro de António Osório, O Concerto interior  - evocações de um poeta, em que as memórias do poeta são acompanhadas de poemas. A Sextante publicará as memórias da infância e juventude do Prémio Nobel da Literatura 2011, Tomas Tranströmer, As minhas lembranças observam-me - seguido de Primeiros Poemas (inéditos). É o único livro em prosa de Tranströmer, o autor conta como descobriu a poesia e revela os seus poemas publicados na revista do liceu (a edição portuguesa traz um prefácio de Pedro Mexia).

"Um livro que podia vir de mão dada com este", como disse na conferência de imprensa João Rodrigues, o editor da Sextante, é José de Rubem Fonseca, umas "memórias que se lêem como um romance". O escritor brasileiro conta aqui a história de um rapaz que vive numa família de portugueses, e embora José Rubem Fonseca cite Proust - "a lembrança das coisas passadas não é necessariamente a lembrança das coisas como elas foram" -, trata-se de um relato autobiográfico. Ao mesmo tempo sairá o seu mais recente livro de contos Axilas e outras histórias indecorosas

O mais esperado livro de memórias desta rentrée terá lançamento mundial a 18 de Setembro: Joseph Anton - Uma Memória, de Salman Rushdie que, em Portugal, sairá na Dom Quixote. É a primeira vez que Rushdie conta a sua história de clandestinidade. Foi no dia 14 de Fevereiro de 1989 que o escritor ouviu pela primeira vez a palavra “fatwa”. Foi-lhe dita por uma jornalista da BBC que lhe telefonou a dizer que tinha sido condenado à morte pelo Ayatollah Khomeini por ter escrito Os Versículos Satânicos. Quando Rushdie passou à clandestinidade a polícia pediu-lhe que escolhesse um pseudónimo, pensou nos escritores de que mais gostava, Conrad e Tchékhov, combinou os seus primeiros nomes e passou a ser Joseph Anton. 

A Gradiva aposta em Ian McEwan e no seu novo romance, Mel, que sairá cá a 26 de Setembro. J. K. Rowling lança também em Setembro o seu primeiro livro para adultos, The Casual Vacancy, que vai ser editado em Portugal pela Presença. Da sinopse que já foi distribuída sabe-se que a acção do romance se passa em Pagford, uma pequena cidade em que os ricos estão em guerra com os pobres, os adolescentes estão em guerra com os pais, as mulheres estão em guerra com os seus maridos e os estão professores em guerra com os alunos. 

O livro de Clara Sánchez que ganhou o prémio Nadal no ano passado sairá na Matéria Prima Edições com o título português Os Monstros também Amam. E A Grande Mudança, de Stephen Greenblatt (Vencedor do National Book Award e Prémio Pulitzer 2012) sairá no Clube do Autor. Em Novembro, a Quetzal publica a aguardada obra-prima de David Foster Wallace: A Piada Infinita.

Jorge Sampaio - Uma biografia, do jornalista José Pedro Castanheira, sairá em Outubro, numa co-edição da Porto Editora com as Edições Nelson de Matos. É um livro com mais de mil páginas que, na realidade, é a primeira parte da biografia, dado que só vai até à sua candidatura à Presidência da Câmara de Lisboa. "É precioso na análise da vida política portuguesa, desde as lutas estudantis dos anos 60, passando pelo 25 de Abril, até à evolução política posterior", explica o editor Manuel Alberto Valente. O lançamento será no dia 23 de Outubro, na Gulbenkian, com apresentação de Emílio Rui Vilar e de António Costa. Também outro jornalista, José Manuel Fernandes vai publicar na Alêtheia Editores, Era uma vez a Revolução - Memórias de uma juventude radical. E a jornalista Leonor Xavier lançará Maria Barroso - um olhar sobre a vida na Oficina do Livro. Iremos voltar a olhar para o Estado Novo em Marcelo Caetano - Tempos de Transição (organização de Manuel Braga da Cruz e Rui Ramos), na Porto Editora, e Salazar e o Poder, de Fernando Rosas, que sairá na Tinta-da-China. 

Um livro que tem sido muito elogiado internacionalmente, A lebre de Olhos de Âmbar - Uma herança escondida, de Edmund de Waal, sobre as memórias de uma família, prémio Costa Book Award 2010 de biografia e considerado livro do ano pela The Economist - sairá na Sextante. 

A Porto Editora começa a publicar em Outubro toda a obra de Francisco José Viegas com a reedição de Um Crime Capital e de Lourenço Marques. "Esperamos em Novembro poder publicar o novo romance deste autor, O Coleccionador de Erva", disse o editor Manuel Alberto Valente, realçando que o livro ainda não está entregue. "O Francisco prometeu que a 15 de Setembro entrega o livro", que estará acabado mas precisa de ser "limado", e o editor não sabe se o cargo de Secretário de Estado da Cultura impedirá o autor de o conseguir acabar em tempo útil. 

Também Mário de Carvalho está de regresso à ficção com duas novelas O Varandim seguido de Ocaso em Carvangel, que já estão nas livrarias, publicadas na Porto Editora, que irá reeditar toda a sua obra. Este mês a D. Quixote publicará novos romances de Rui Cardoso Martins - Se Fosse Fácil Era Para os Outros - e de Inês Pedrosa: Dentro de Ti Ver o Mar

A Tinta-da-China publicará os romances dos brasileiros Tatiana Salem Levy (Dois Rios) e Luiz Ruffato (De Mim já nem se Lembra). Por sua vez a Relógio D"Água continua a publicar a obra do Prémio Camões 2012, o brasileiro Dalton Trevisan: A Trombeta do Anjo Vingador e O Vampiro de Curitiba. Não é Meia-Noite Quem Quer é o título do novo romance de António Lobo Antunes, que sairá na D. Quixote, em Outubro. O enredo do livro desenvolve-se em três dias, sexta-feira, sábado e domingo e conta a história de uma mulher de 50 anos, professora, que se vai despedir de uma casa de família que foi vendida e relembra tudo o que ali se passou. 

Este mês sairá ainda na Quetzal a Poesia reunida de Maria do Rosário Pedreira, e a Assírio & Alvim publica o novo livro de poesia de José Tolentino Mendonça, Estação Central. A obra de Almeida Faria e de Eugénio de Andrade começa a ser reeditada na editora neste final do ano.