Entrevista

Chefe de missão do FMI: mudanças na TSU não foram exigência da troika

Abebe Selassie diz que a desvalorização fiscal "tem de ser calibrada"
Foto
Abebe Selassie diz que a desvalorização fiscal "tem de ser calibrada" Foto: Pedro Cunha

Em entrevista exclusiva ao PÚBLICO, a ser publicada na edição de quinta-feira, o chefe de missão do FMI diz que os cortes salariais foram uma ideia do Governo e que qualquer outra medida geraria o mesmo debate.

Para o chefe de missão do FMI na troika, o etíope Abebe Selassie, a desvalorização fiscal conseguida com a descida da Taxa Social Única (TSU) paga pelas empresas e o aumento da contribuição dos trabalhadores é uma forma “criativa” de resolver o problema do défice e da competitividade. Mas, se o programa for apenas austeridade, a economia não vai sobreviver, avisa. E foi precisamente pelo receio de uma “pressão excessiva” sobre a economia que a troika flexibilizou as metas do défice.

Leia no PÚBLICO desta quinta-feira a entrevista a Abebe Selassie. Aqui ficam algumas frases que espelham o pensamento do responsável do FMI na troika:

- “Se houver apenas austeridade, a economia não vai sobreviver”.

- “É imperativo que tenhamos também reformas que melhorem a produtividade. Resolver o problema da competitividade simplesmente reduzindo os salários não vai resultar”.

- “Se o IRS ou o IRC tivessem sido aumentados, as pessoas teriam dito: mas porquê o IRS, porquê o IRC? Se fosse o IVA também se queixariam. Qual seria a alternativa? Qualquer medida que fosse tomada teria também gerado um debate grande”.

- “Esta medida [desvalorização fiscal] tem de ser calibrada, para que o impacto sobre os pobres seja tido em conta”.

- Com a flexibilização das metas do défice, “o que tentámos foi dar mais tempo ao ajustamento orçamental, de modo a evitar tensões excessivas na economia”.