Futebol

O Sporting de Braga voltou a ser grande na Europa

Rúben Micael foi decisivo
Foto
Rúben Micael foi decisivo Foto: Olivier Morin/AFP

O Sporting de Braga voltou ontem a viver em Udine, Itália, mais um capítulo do seu crescimento europeu. O clube minhoto eliminou a Udinese no desempate por grandes penalidades, um desfecho justo para a eliminatória, e apurou-se para a fase de grupos da Liga dos Campeões pela segunda vez na sua história. Apesar de ter ficado em desvantagem, tal como há uma semana, a equipa de Peseiro não desarmou, foi atrás do empate (1-1), obtido pelo suplente Ruben Micael, e foi mais forte nos penáltis (4-5).

Beto não foi enganado pelo Panenka do brasileiro Maicosuel, os seus colegas não falharam nenhum pontapé e o Braga, que foi melhor do que o terceiro da Série A na última época, garantiu nova presença na prova milionária, o que vale só por si 8,6 milhões de euros. O futebol português voltará a ter três equipas na Liga dos Campeões.

A Udinese, perante os seus adeptos, entrou no jogo mais calma, mas rapidamente a equipa portuguesa, distribuída num 4x3x3 em que a novidade foi Ruben Amorim descaído para a esquerda, tomou conta da posse de bola. O apuramento dos minhotos poderia ter começado a desenhar-se bem cedo, aos nove minutos. Ismaily recuperou uma bola, Mossoró assistiu Lima, que há dois anos foi decisivo com um hat-trick frente ao Sevilha, mas Zeljko Brkic fez a primeira das várias boas defesas que realizou. Foi a primeira grande oportunidade do encontro, mas oito minutos depois houve nova sensação de perigo junto da baliza dos locais, depois de uma saída em falso do guarda-redes sérvio num canto.

O clube italiano, no entanto, começou a libertar-se e a tornar-se perigoso nos contra-ataques. Antonio Di Natale, autor de mais de 150 golos pela Udinese desde que chegou a Udine em 2004, tentou inaugurar o marcador aos 18’ e aos 20’, mas não conseguiu remates perfeitos.

Aos 25’, José Peseiro criticou um passe precipitado de um seu jogador, aconselhando mais calma. O que aconteceu a seguir deu-lhe razão: depois de recuperar a bola, a Udinese colocou-se em vantagem. Diego Fabbrini serviu Dusan Basta, que meteu para a área, onde apareceu o colombiano Pablo Armero, dono de todo o lado esquerdo da sua equipa, a cabecear com sucesso.

Até ao intervalo, o Braga não reagiu bem à desvantagem e foi a Udinese que esteve mais perto de marcar em duas ocasiões, a mais perigosa delas novamente protagonizada por Armero, mas Beto defendeu bem.

A pausa fez muito bem aos portugueses, que exerceram um enorme domínio na segunda parte. Leandro Salino deu o mote, mas atirou mal, de pé esquerdo. Foi apenas o primeiro dos muitos remates do Braga na segunda metade. Hugo Viana, Amorim, Alan e Ismaily foram os homens que tiveram a oportunidade de voltar a empatar a eliminatória. Pelo meio, Armero poderia ter decidido o jogo a favor da Udinese, mas o colombiano acertou na relva em vez de pontapear a bola. Tal como na primeira mão, o Braga recuperaria da desvantagem de 1-0. Aos 71’, Brkic travou um remate de Mossoró, mas o brasileiro não desistiu do lance, cruzou e Ruben Micael, que até tinha ficado frustrado com o seu colega pois queria a bola logo no primeiro momento, empatou de cabeça.

O jogador emprestado pelo Atlético de Madrid foi uma aposta ganha de Peseiro, pois marcou 12 minutos depois de entrar em campo e ainda foi o autor do último pontapé no desempate por penáltis. O internacional português apresenta um grande saldo nas provas europeias: apesar de ser um médio, já fez 11 golos em 20 jogos.

Até ao final do tempo regulamentar e do tempo extra, apesar do ascendente dos “arsenalistas”, o resultado não se alterou. Mas houve justiça no fim. Maicosuel foi o único da Udinese a falhar – Pasquale, Pinzi, Armero e Di Natale foram eficazes –, mas os jogadores do Braga (Lima, Custódio, Éder, Paulo César e Micael) estiveram perfeitos.

POSITIVOSporting de Braga

Eliminou com mérito o 3.º classificado da última edição do campeonato italiano. Segundo a UEFA, realizou 22 remates contra oito da Udinese.


Brkic

Não conseguiu fazer nada nos penáltis, mas foi o principal responsável por a sua equipa conseguir arrastar o jogo até ao desempate. O substituto do esloveno Samir Handanovic, que foi vendido ao Inter de Milão, foi um dos melhores em campo.


NEGATIVODi Natale e Maicosuel

O abono de família habitual da Udinese não conseguiu desta vez fazer a diferença. Na sua melhor oportunidade, acertou mal na bola. Maicosuel foi o único a falhar um penálti.


Notícia corrigida às 15h00 de 29-08. Rúben Micael está emprestado ao Sporting de Braga pelo Atlético de Madrid e não pelo FC Porto
Sugerir correcção