Métodos dos países asiáticos inspiram nova abordagem

Unilever prepara-se para o regresso da pobreza à Europa

Foto
Foto: Enric Vives-Rubio

O responsável pela Europa do gigante anglo-neerlandês do agro-alimentar Unilever disse numa entrevista publicada nesta segunda-feira que vê “a pobreza regressar” ao continente, e por isso vai adaptar a sua estratégia.

“A pobreza regressa à Europa”, disse Jan Zijderveld ao diário Financial Times Deutschland, acrescentando: “Se um espanhol não gasta em média mais de 17 euros quando faz as suas compras, não vou propor-lhe um pacote de detergente que custa metade do seu orçamento.”

Zijderveld disse ir agora inspirar-se nos métodos utilizados pela Unilever nos países asiáticos em desenvolvimento para abordar o mercado europeu, vendendo produtos mais baratos embalados em porções mais pequenas.

“Na Indonésia, vendemos amostras individuais de champô por dois a três cêntimos cada e mesmo assim ganhamos dinheiro”, disse este responsável de um grupo que abrange marcas de grande distribuição muito conhecidas também em Portugal, como a Dove (produtos de higiene pessoal), a Olá (gelados) ou a Knorr (especiarias).

O Financial Times Deutschland relata que a Unilever começou, por exemplo, a vender em Espanha pequenas embalagens de detergente que apenas permitem fazer cinco máquinas de roupa.

“Os mercados na Europa são um pouco os Jogos Olímpicos da distribuição: os mais difíceis! Quem triunfa aqui, dá-se bem em todo o lado”, disse ainda Jan Zijderveld.

A Unilever tem em Portugal uma parceria com a Jerónimo Martins desde 1949, que actualmente se materializa na Unilever Jerónimo Martins, comercializando marcas como a Becel, Maizena, Skip ou Cif.