Obsessão

Incansáveis mocetões de um metro e noventa e estonteantes louras, morenas e ruivas, naturalmente insaciáveis, dedicam-se a praticar sexo fácil em várias novelas editadas em 1965. Com sugestivos títulos como O Insaciável, O Obcecado e O Violador, são livros sem editora, sem tradutor, escritos por Roy Harvey e apresentados por Sum Marky, pseudónimos de José Ferreira Marques (1921-2003), autor de outras prosas light da colecção, branco nascido em São Tomé e autor de um apreciado Vila Flogá, de 1963, libelo acusatório do colonialismo na antiga colónia portuguesa. Tanta clandestinidade serve uma literatura popular, claramente apontada à líbido masculina e ao mito, tão excitante quanto assustador, da voracidade sexual feminina. Acautelando o olho vigilante da censura, Sum Marky prefacia os três volumes nas exíguas badanas, exaltando o proveitoso exemplo destes pedaços sórdidos de uma América corrupta, racista e depravada. Nas capas destes três livros, um anónimo ilustrador desenha capitosas beldades em poses sugestivas fazendo tábua rasa das leis da perspectiva, ousando enquadramentos a que só mão virtuosa se atreveria. Se o erotismo ingénuo da prosa e o traço amador das louras é incapaz de nos provocar particular entusiasmo sensorial, saliente-se a competência geral das capas, da composição à paleta cromática, com fundos intensamente vermelhos, pontuadas por constrastados verdes e violetas ou complementadas em sedutores tons de carne. Os 60 foram anos gloriosos da ilustração editorial portuguesa. Virtuosos designers, pintores e arquitectos esbanjaram talento em milhares de livros de editoras de referência como a Portugália, a Ulisseia, a Estúdios Cor e a Livros do Brasil. As suas ilustrações são reconhecidas pela marca pessoal, pelo traço sofisticado, a perspectiva disciplinada, trabalhos de uma erudição alicerçada nos movimentos estéticos do seu tempo e de um profundo entendimento das técnicas de impressão. Mas a rudeza e ingenuidade das capas de Roy Harvey são também uma outra metáfora gráfica e ganham uma modernidade surpreendente, agora que o desenho informal e descritivo voltou à ilustração. E acordam-nos desejos inconfessáveis de uma silly season sexual.