Bulgária

Guineense foi alvo de cânticos racistas dos próprios adeptos

O avançado guineense Basile de Carvalho está a ponderar deixar o Levski de Sofia, depois de ter sido alvo de cânticos racistas dos próprios adeptos do clube.

Apesar da boa exibição na vitória frente ao Botev Plovdiv (3-1) neste domingo, Basile viu um sector de adeptos do Levski atirarem-lhe bananas e gritarem sons a imitar macacos quando os jogadores agradeciam o apoio dos adeptos.

Carvalho, de 30 anos, reagiu aos insultos e a polícia teve de intervir.

Após o incidente, o avançado nascido no Senegal mas com nacionalidade da Guiné Bissau recusou falar aos jornalistas.

Mas segundo a Reuters terá dito aos seus companheiros (no Levski de Sofia alinham os portugueses João Silva, Cristóvão e Nuno Pinto) que vai ponderar deixar a Bulgária, um país onde os cânticos racistas têm sido recorrentes nos últimos anos.

Em 2005, por exemplo, o francês Djibril Cissé foi alvo de cânticos racistas dos adeptos do CSKA de Sofia, durante um jogo da Liga dos Campeões pelo Liverpool, e no ano passado a Federação Inglesa queixou-se do mesmo, após um jogo entre as selecções inglesa e búlgara, altura em que a UEFA multou a Federação da Bulgária em 40 mil euros.

A segunda jornada da Liga búlgara ficou ainda marcada por agressões dos adeptos do Minyor Pernik a um dirigente do Lokomotiv de Sofia.

Sugerir correcção