Crónica de jogo

Adeptos do Benfica já têm um herói e um vilão na equipa

Melgarejo esteve em destaque pela negativa
Foto
Melgarejo esteve em destaque pela negativa Foto: Patrícia Moreira de Melo/AFP

Houve heróis e vilões neste sábado no Estádio da Luz, na abertura do campeonato para Benfica e Sp. Braga. A partida entre o segundo e o terceiro classificados da temporada passada correspondeu às expectativas e o empate final (2-2) manteve a tradição dos “encarnados”, que não vencem um jogo de estreia da Liga há oito épocas consecutivas.

Salvio quase teve um regresso de sonho a Lisboa, mas Melgarejo encarregou-se de estragar a noite aos mais de 50 mil adeptos nas bancadas. Mérito também para o Sp. Braga de José Peseiro, que mantém a orquestra afinada, mas já com uma pitada do seu novo maestro.

Não teve portugueses a primeira equipa do Benfica na época oficial. Jorge Jesus quis apresentar um “onze” mais ambicioso e deixou Carlos Martins no banco, chamando o espanhol Rodrigo para jogar mais próximo de Óscar Cardozo. O técnico deu ainda a titularidade ao recém-chegado Salvio, que não chegou a ser testado na pré-temporada.

Novidades também no Sp. Braga. A principal, logo na baliza, com o ex-portista Beto a retirar a titularidade a Quim neste regresso a Lisboa do antigo titular da baliza da Luz. José Peseiro regressou ao campeonato nacional seis temporadas depois de ter abandonado o Sporting, mas fiel ao seu estilo: não sabe jogar à defesa e terá encontrado a parceria ideal para as suas ideias.

Exceptuando a aposta em Ruben Amorim, os restantes cinco elementos do meio-campo para a frente foram os mesmos que brilharam na segunda metade da temporada passada e garantiram um lugar no play-off de acesso à Liga dos Campeões, que irá começar a disputar na quarta-feira, com os italianos da Udinese. Lima foi a ponta de uma flecha bem rotinada, a funcionar com pressão alta e a deixar o Benfica paralisado durante grande parte dos primeiros 20’. A boa entrada bracarense podia mesmo ter sido premiada com um golo, aos 8’, mas o remate de Lima acabou por ser defendido por Artur.

A equipa da casa demorou a encontrar-se e só respondeu a meio da primeira parte, numa das poucas desconcentrações bracarenses. Rodrigo e Salvio aproveitaram espaço entre a defesa e o meio-campo, mas desta vez foi Beto a brilhar entre os postes. O momento galvanizou o Benfica e as bancadas, que mais entusiasmadas ficaram após um livre ensaiado, com uma execução quase perfeita. Falhou a finalização.

Mas o melhor e o pior das duas equipas estava reservado para o segundo tempo. Quatro minutos após o reatamento, os “encarnados” chegaram à vantagem, numa jogada iniciada por Rodrigo e finalizada por Salvio. Um regresso perfeito para o argentino, que só não gozaria mais tempoo brilharete porque Megarejo, num par de minutos, resolveu todas as dúvidas suscitadas na pré-temporada acerca das suas qualidades como defesa. Primeiro, aos 54’, fez um autogolo, depois, aos 63’, “assistiu” os bracarenses para a reviravolta do marcador. Mossoró finalizou, na zona do penálti, depois de sentar Artur.

O banco “encarnado” reagiu: entraram Nolito, Aimar e Enzo Pérez (saíram Bruno César, Salvio e Rodrigo). A pressão aumentou para os minhotos, que acabaram por ceder, provocando um penálti, aos 71’, com uma mão na bola. Foi expulso Douglão (segundo amarelo), mas a falta foi de Custódio. Depois, com menos um, foi segurar o empate até ao apito final. O Benfica ajudou.

POSITIVO

Salvio
Ainda não era esperada a sua estreia e muito menos como titular, mas o argentino acabou por ser feliz. Marcou o primeiro golo, aos 49’, e a sua noite seria perfeita se o jogo tivesse acabado logo ali.

José Peseiro
Um regresso promissor ao campeonato português.

Beto
Tal como Peseiro, regressou a Portugal pela porta grande. Esteve perto de travar o penálti.

NEGATIVO

Melgarejo
As críticas acerca da sua adaptação a defesa esquerdo já não eram de agora, mas teve o condão de as tornar unânimes.

Arbitragem
A expulsão de Douglão acabou por manchar a exibição. Não foi ele quem tocou com a mão na bola, mas sim Custódio. O penálti, no entanto, foi bem assinalado.

Notícia actualizada às 23h

Sugerir correcção