Investimentos

Grandes eventos desportivos espalham estádios-fantasma pelo mundo fora

Em 2011-12, o Estádio de Aveiro teve uma média de 4300 espectadores
Foto
Em 2011-12, o Estádio de Aveiro teve uma média de 4300 espectadores Nuno Ferreira Santos

Os recintos de Aveiro, Leiria e Algarve são dos maiores exemplos de desperdício de dinheiros públicos na construção de equipamentos desportivos. O Mundial 2006, pelo contrário, é um exemplo a seguir.

Ainda não são conhecidos os números oficiais finais do investimento britânico nos Jogos de Londres, mas dificilmente se aproximarão dos 32 mil milhões de euros de Pequim 2008. Uma soma astronómica para um evento que dura pouco mais de duas semanas. Neste oceano financeiro, surgem mitigados os 381 milhões de euros despendidos no "Ninho de Pássaro", o Estádio Olímpico que se transformou na bandeira do evento. Hoje é uma atracção turística, mas com os seus 90 mil lugares desertos grande parte do ano, apesar dos nove milhões de euros de custos de manutenção. É um dos "elefantes brancos" que os mega-eventos desportivos espalharam pelo mundo, com Portugal a ter um lugar de destaque.

São projectos muitas vezes efémeros, quase sempre megalómanos, ávidos sorvedouros das receitas dos contribuintes. São estas as conclusões de um relatório do Instituto Dinamarquês de Estudos Desportivos (IDED), publicado recentemente, que alerta para o peso dos legados das grandes organizações desportivas, construídos sem racionalidade ou planos de sustentabilidade. O Euro 2004 e parte da sua herança material, fardos atrofiantes para algumas autarquias, é visto como caso exemplar de desperdício de fundos.

O estudo estima que a organização nacional da prova da UEFA tenha implicado um investimento público na ordem dos mil milhões de euros, entre os valores assumidos por autarquias e Governo. O dobro da verba despendida, em conjunto, pela Áustria e Suíça, no Euro 2008. "Vários dos estádios construídos ou renovados constituíram uma herança problemática", refere o documento, apontando os casos dos estádios de Aveiro, Leiria (Dr. Magalhães Pessoa) e Faro-Loulé (Algarve), que registam baixos índices de ocupação anual.

Um cenário desolador, mas perfeitamente previsível para este centro independente de investigação. A falta de um plano racional e sustentável dos equipamentos a prazo, que poderia ter passado por uma diminuição da lotação, após o fim do Euro 2004, para reduzir os custos de manutenção e adaptar os recintos às realidades futebolísticas locais, explica as dificuldades actuais.

Os três estádios custaram aproximadamente 218 milhões de euros (e juntos disponibilizam 84 mil lugares), segundo números divulgados por uma auditoria do Tribunal de Contas, em 2005. Montante sem IVA e que inclui o estacionamento e as acessibilidades. A factura mais pesada do trio foi paga pela Câmara de Leiria: 83,2 milhões de euros. Seguiram-se a de Aveiro, com 68,1 milhões, e as de Faro e Loulé, com 66,4.

"A experiência portuguesa é ilustrativa para desmontar o lema "se construirmos estádios os espectadores aparecerão". Esta não é uma solução fiável. Alguns estádios foram postos à venda e a maioria regista fraquíssimos índices de assistência", refere o estudo, em que participou o investigador da Universidade de Coimbra (UC) Francisco Pinheiro.

Mas os portugueses não estão isolados na forma irracional como avançaram para a construção de muitos dos equipamentos. Numa lista que engloba Jogos Olímpicos de Verão e Inverno, Mundiais da FIFA, Europeus da UEFA, Taça das Nações Africanas, Jogos Pan-Africanos, Jogos Pan-Americanos, Jogos Asiáticos e Jogos da Commonwealth, num total de 65 estádios, em 20 países e cinco continentes, o desperdício de verbas públicas é, quase sempre, transversal.

Do Japão, surge o caso do Estádio Olímpico de Nagano, uma memória pálida dos Jogos Olímpicos de Inverno de 1998. Com uma capacidade de 30 mil lugares, custou 87 milhões de euros. Durante o ano de 2010, todos os espectadores somados ocupariam pouco mais de metade dos lugares.

Em Inglaterra, ainda a viverem a ressaca dos Jogos, os contribuintes olham com apreensão para este passado de esbanjamento, enquanto especulam sobre o destino do Estádio Olímpico, onde investiram 590 milhões de euros. O seu futuro, que tem sofrido avanços e recuos nos últimos meses, continua incerto.

À partida, o projecto arquitectónico deixou aberta a possibilidade de adaptações, como a redução dos 80 mil lugares para 25 mil, através da remoção do anel superior. Neste momento existem alguns clubes candidatos à utilização do recinto, destacando-se o West Ham.

Bom exemplo alemão

Apesar do cenário global negativo, o estudo do IDED também apresenta casos de sucesso. O maior deles é à organização alemã do Mundial de 2006. Aqui, a maioria dos estádios envolvidos na prova, construídos de raiz ou remodelados, registou um crescimento considerável da afluência de público, após o evento. A explicação é simples: "A forte tradição que o futebol tem por estas paragens, associada à competitividade da Bundesliga, traduz-se num dos maiores índices médios de espectadores nos estádios a nível mundial." Um oásis num deserto de desperdícios.

"Este estudo pretende ser uma espécie de memorando com um elenco dos erros que ciclicamente são cometidos. Em particular algo que raramente é feito, como perspectivar o futuro dos equipamentos construídos e promover a criação de um plano de actividades, pelo menos para a década seguinte", sintetizou ao PÚBLICO Francisco Pinheiro. "Acredito que, nas próximas décadas, os países que optarem por uma racionalidade do ponto de vista financeiro, dificilmente irão candidatar-se a receber mega-organizações destas", prevê.

Apesar de tudo, não têm faltado candidatos endinheirados à organização dos grandes eventos. A 2 de Dezembro de 2010, a FIFA atribuiu à Rússia a organização do Mundial de 2018 e ao Qatar a de 2022. Para vencer a corrida, os dois países comprometeram-se a construir mais de 20 novos estádios. "Nem a Rússia nem o Qatar têm uma infra-estrutura de equipamentos desportivos para uma prática satisfatória de futebol, conforme é exigido pela FIFA, nomeadamente no que se refere à capacidade dos estádios", aponta o estudo. Para obedecer aos regulamentos, os russos fixaram um orçamento oficial de três mil milhões de euros para a construção de estádios. Já o Qatar (país com 1,8 milhões de habitantes) vai investir 2,4 mil milhões de euros.

Notícia corrigida às 16h58