Curso na Lusófona custou 1777 euros

Parecer sobre currículo de Relvas não detalha disciplinas para equivalências

Curso de Relvas custou 1777 euros
Fotogaleria
Curso de Relvas custou 1777 euros Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Enric Vives-Rubio

O parecer que esteve na base da decisão do reitor Fernando Santos Neves elogia o currículo do ministro, mas não detalha a que disciplinas Relvas deveria ter equivalência.

Inscrição, processo de equivalências, propinas, certificado final - por tudo isto o ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares Miguel Relvas pagou 1777 euros à Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, em Lisboa. Os recibos constam do processo hoje disponibilizado aos jornalistas pela instituição de ensino, depois de autorização do governante. O parecer que esteve na base da decisão do reitor Fernando Santos Neves elogia o currículo do ministro, mas não detalha a que disciplinas Relvas deveria ter equivalência.

Os jornalistas tiveram pouco mais de meia hora para consultar a documentação, na presença de duas responsáveis pelos serviços académicos da universidade, podendo voltar noutro dia se restarem dúvidas, fez saber a instituição de ensino. Numa pasta com o título “candidatura” é possível encontrar a carta que Relvas escreveu a 7 de Setembro de 2006 ao então reitor da instituição, Fernando Santos Neves, onde requer a admissão ao curso de Ciência Política e Relações Internacionais.

Nela solicita ao reitor que “se digne a apreciar” o currículo profissional do candidato “tendo em vista eventual reconhecimento” de equivalências ou de créditos, “nos termos aplicáveis, designadamente em conformidade com a Declaração de Bolonha”. E junta certificados de habilitações e registos de interesses entregues na Assembleia da República que demonstram o início de actividade como consultor em empresas, bem como um documento relativo à tomada de posse como presidente da Assembleia Geral da Associação de Folclore da Região de Turismo dos Templários.

Segue-se um parecer assinado a 6 de Outubro de 2006 pelos professores José Fialho e António Neves. “A informação que consta do dossiê apresentado [pelo aluno] denota uma elevada experiência profissional que se reparte por três domínios” — cargos políticos, cargos públicos e experiência profissional no domínio empresarial, concluem os dois relatores que propõe a atribuição de 160 créditos (ECTS) “que deverão ser feitos equivaler a diferentes unidades curriculares”. Mas não dizem quais.

É um despacho assinado em 26 de Outubro de 2006 pelo então reitor e presidente do Conselho Científico, Fernando Santos Neves, que, esse sim, enumera as cadeiras que merecem equivalência (correspondentes a 160 créditos). Acrescenta o documento que o candidato deve realizar 20 créditos. Mas não refere que notas terá o candidato nas cadeiras com equivalência.

Do processo também não constam os nomes dos professores responsáveis pelas quatro cadeiras a que Relvas teve que fazer exame. Nem a composição do Conselho Científico que fez equivaler o currículo do ministro a 32 outras disciplinas — apenas o do seu presidente, Fernando Santos Neves.

Com as equivalências atribuídas pela Universidade, Relvas apenas teve de fazer quatro disciplinas semestrais: Quadros Institucionais da Vida Económica Política e Administrativa, Introdução ao Pensamento Contemporâneo, Teoria do Estado da Democracia e da Revolução e Geoestratégia, Geopolítica e Relações Internacionais — todas semestrais.

O actual ministro concluiu o curso em Outubro de 2007. O certificado de conclusão é 4 de Abril de 2008.

Este sábado, a Lusófona divulgou os nomes dos professores das quatro disciplinas a que Relvas fez exame: Manuel Jerónimo Marques dos Santos, António Joaquim Viana de Almeida Tomé, Paulo Jorge Rabanal da Silva Assunção e António Fernando dos Santos Neves.

Entre a experiência profissional invocada para o processo de equivalência figura o de consultor da sociedade de advogados ‘Barrocas Sarmento e Neves’, do grupo SGS, da empresa ROFF, administrador da Prointec-GIBB Brasil, vice-presidente do Instituto Francisco Sá Carneiro, presidente da Assembleia Geral da Associação de Folclore da Região de Turismo dos Templários.

Sugerir correcção