Finlândia garante que não quer sair do euro

Foto
Jutta Urpilainen (à direita) diz que a Finlândia está empenhada em resolver a crise, “mas não de qualquer maneira” Foto: Thierry Roge/Reuters

A questão surgiu na sequência de uma entrevista à governante finlandesa publicada esta sexta-feira no jornal finlandês Kauppalethi – e da interpretação abusiva que, segundo o Governo de Helsínquia, terá sido dada às palavras da ministra, quando as agências internacionais fizeram eco da entrevista e os sites de notícias assumiram essa informação.

Matti Hirvola, porta-voz da ministra, veio contestar à AFP a tradução directa de uma parte do discurso, afirmando que “qualquer afirmação segundo a qual a Finlândia quer deixar o euro é simplesmente falsa”. E à agência financeira Bloomberg, segundo uma nota remetida pela Embaixada da Finlândia em Portugal, desmentiu que tenha havido alguma ameaça de saída do euro.

Numa primeira transcrição das declarações, a agência de notícias francesa citava assim as palavras da ministra (reproduzidas no PÚBLICO Online): “A Finlândia está empenhada em ser membro da zona euro e nós consideramos que o euro é benéfico para a Finlândia. No entanto, a Finlândia não se apegará ao euro a qualquer custo e estamos preparados para todos os cenários, incluindo abandonar a moeda única europeia”.

Mais tarde, porém, e já depois de emitir uma nota a anular esta versão do despacho, é explicado que uma parte daquela citação resulta, não da tradução das palavras da ministra, mas de uma interpretação feita pelo jornal finlandês que entrevistou Jutta Urpilainen.

A agência esclarece que, segundo o jornal Kauppalehti, “esta declaração da ministra poderia significar que a Finlândia, um dos últimos países da zona euro a beneficiar de uma nota de crédito de triplo A, ‘não se apegará ao euro a qualquer custo e está preparada para todos os cenários”.

A citação tem uma diferença de pormenor na segunda parte: em vez de a frase ser transcrita na primeira pessoa do plural (“estamos preparados”), o discurso é assumido na terceira pessoa do singular (a Finlândia “está preparada”). E é excluída a última parte sobre o cenário de saída da moeda única europeia, que o Governo contesta.

Na entrevista, a ministra enfatiza que a Finlândia está empenhada em resolver a crise, “mas não de qualquer maneira”.