DR
Foto
DR

Os “nove olhos” do Google Street View numa exposição em Londres

Um tigre num parque de estacionamento e pessoas em poses um tanto ou quanto obscenas são algumas das imagens expostas retiradas do Google Street View

Foi há cinco anos que o Google Street View começou a fotografar diferentes locais do mundo. Há quatro, Jon Rafman decidiu começar a guardar as imagens que considerava mais interessantes, criando o projecto "9 Eyes of Google Street View". Agora, algumas vão ser expostas na Saatchi Gallery, em Londres.

 

Os olhos do Google começaram a estar fixados em nós em 2007. Nesse ano, os veículos da empresa saíram à rua e percorreram cada canto do mundo, captando imagens dos vários locais por onde passaram. Cada viatura tinha um tubo com nove câmaras presas que, a cada dez a vinte metros percorridos, tiravam uma fotografia. Assim, foi adicionada uma nova ferramenta ao Google Maps: o Street View.

PÚBLICO -
Foto
Habitantes locais dão as boas-vindas ao Google Street ViewDR

 

PÚBLICO -
Foto
O contraste de um momento foi um dos critérios para escolher as imagensDR

Esta ferramenta consistia num grande e desorganizado arquivo de imagens que, tal como acontece com a informação na Internet em geral, poderia ser filtrado.

PÚBLICO -
Foto
As câmaras do Google Street View apanharam um tigre a passear num parque de estacionamentoDR

 

E foi isso que Jon Rafman começou a fazer em 2008, iniciando uma colecção de imagens do Street View. O seu projecto “9 Eyes of Google Street View” reúne muitas das fotos captadas pelas nove câmaras (ou os nove olhos) dos veículos da empresa propietária do maior motor de busca da Internet do mundo. Os critérios de selecção foram do inesperado ao único, passando pelo contraste e até pelo bizarro.

 

São fotos que demonstram uma diversidade geográfica e cultural, captando a alegria de uns (que mostraram muito mais do que um sorriso), a frustração de outros e a indiferença de mais uns quantos ao se verem em frente às câmaras do Google Street View.

 

Muitas dessas imagens apanharam os "momentos decisivos" de acidentes e incidentes. Aliás, apesar de não ter tirado as fotos, Jon Rafman admitiu sentir-se como Henri Cartier-Bresson, ao descobrir e guardar as imagens incomuns do Google Street View. E com tanto por onde escolher, o responsável já disse que poderia ser um fotógrafo de paisagens ou um fotógrafo preocupado, por exemplo, em conseguir uma imagem que evoca-se uma certa nostalgia.

 

Além das fotografias de habitantes das localidades por onde passaram as câmaras do Google, Jon Rafman guardou imagens de animais selvagens, tanto no seu habitat natural como bem longe dele (por exemplo, um tigre a passear num parque de estacionamento), e ainda dezenas de paisagens.

 

Mundo virtual vs mundo real

A questão da privacidade vem sempre ao de cima quando se fala de câmaras a captarem o quotidiano sem que alguém as aprove ou sequer dê por elas, mas Jon Rafman prefere ver as coisas por outro ângulo. O responsável pelo projecto “9 Eyes of Google Street View” considera que estas imagens  mostram bem a realidade do mundo que se procura levar aos internautas, pois não foram alvo de qualquer manipulação.

 

Além disso, Jon Rafman também salienta que, mesmo sendo fotos tiradas de forma indiferenciada, o público não consegue deixar de as interpretar, atribuindo-lhes sempre algum significado.

 

Por isso, a partir de 26 de Julho, algumas das imagens que foi guardando ao longo de quatro anos vão estar expostas na Saatchi Gallery, em Londres. Quem não tiver oportunidade de visitar a exposição ou quiser ver mais do mundo captado pelos "nove olhos" do Google Street View, pode ter acesso a todo o arquivo no tumblr criado a propósito deste projecto, para mais tarde recordar.