Para os gelados congelarem mais depressa ferve-se o líquido Nuno Oliveira/arquivo
Foto
Para os gelados congelarem mais depressa ferve-se o líquido Nuno Oliveira/arquivo

1244 euros para quem explicar por que é que a água quente congela mais depressa que a fria

No ano dos Jogos Olímpicos, quem resolver o mistério até 30 de Julho será premiado pela Royal Society de Química

A Royal Society de Química está a oferecer um prémio de 1000 libras (cerca de 1244 euros) para quem souber explicar por que é que a água quente congela mais depressa do que a água fria.

O fenómeno é observado e conhecido há muito tempo. No século IV a.C., Aristóteles questionava-se sobre este problema, morrendo sem o solucionar. 

O filósofo franciscano Roger Bacon também analisou o problema no século XIII d.C., mas não encontrou nenhuma resposta, assim como Francis Bacon e René Descartes no século XVII. 

O fenómeno é utilizado como técnica para fazer gelados: são congelados depois de o líquido ser aquecido, por ser mais rápido. Hoje, chama-se Efeito de Mpemba a este fenómeno, por ter sido redescoberto em 1968 por Erasto Mpeba, um estudante da Tanzânia, durante uma aula de laboratório.

“Erasto perguntou ao professor por que é que os gelados congelavam mais rapidamente quando eram fervidos e o professor disse imediatamente que ele estava errado e que provavelmente tinha imaginado aquilo.

Só quando o professor testou a experiência é que notou o fenómeno”, conta David Philips, presidente da sociedade britânica.Depois desta redescoberta, vários investigadores tentaram, sem sucesso, encontrar a explicação para o “congelamento mágico”.

No ano em que os Jogos Olímpicos vão a Londres, a instituição resolveu dar cerca de 1244 euros a quem conseguir resolver até 30 de Julho este mistério.