Rio+20

Evo Morales acusa economia verde de ser “nova forma de colonialismo dos ricos”

Evo Morales pediu a África para não privatizar os seus recursos naturais
Foto
Evo Morales pediu a África para não privatizar os seus recursos naturais Ueslei Marcelino/Reuters

O conceito de economia verde, um dos principais dossiers da conferência Rio+20, é “uma nova forma de colonialismo” imposta pelos países ricos aos países do Sul, disse nesta quinta-feira o Presidente da Bolívia.

“Os países do Norte enriquecem entregando-se a uma orgia devastadora e obrigam os países do Sul a serem os seus pobres guardas florestais”, disse Evo Morales numa sessão plenária da conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável.

“Eles querem impor-nos os mecanismos de intervenção para orientar e julgar as nossas políticas nacionais (...), sob pretextos ambientais”, acrescentou, condenando um conceito promovido pelas Nações Unidas.

Morales dirigiu-se a África, pedindo que não privatize os seus recursos naturais. “Aos países africanos, eu digo, recuperem e nacionalizem os vossos recursos naturais. Eles pertencem aos povos; não podem ser negociados a nível internacional.”

Para Evo Morales, o capitalismo verde “transforma cada árvore, cada planta, cada gota de água e cada ser da natureza numa mercadoria”.