Centro Hospitalar vai instaurar inquérito ao caso dos resíduos encontrados em Boticas

O CHTMAD tem um sistema de recolha de resíduos
Foto
O CHTMAD tem um sistema de recolha de resíduos Rui Gaudêncio

O Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) anunciou hoje que vai “instaurar um inquérito rigoroso” para esclarecer o caso dos resíduos hospitalares encontrados no aterro sanitário de Boticas.

O conselho de administração, em comunicado enviado à agência Lusa, “não exclui que possa acontecer um erro humano numa troca eventual de um saco de resíduos”.

Hoje voltaram a aparecer resíduos hospitalares no aterro de Boticas que são “comprovativamente”, segundo afirmou o presidente da Câmara de Boticas, Fernando Campos, provenientes do hospital de Chaves.

O autarca explicou que um funcionário da Resinorte, entidade encarregada da gestão do aterro estava a despejar a viatura que fez o transporte do lixo do concelho de Chaves para Boticas quando, por acaso, rebentou um saco e descobriu umas luvas.

Além das luvas, Fernando Campos frisou que o funcionário encontrou seringas, algálias e sacos de soro fisiológico com etiquetas que tinham o nome do hospital de Chaves.

Os resíduos estavam, segundo o presidente da Câmara, “dissimulados” em sacos pretos do lixo comuns.

“É grande a preocupação do conselho de administração para que o sistema funcione no maior rigor, pelo que pugnamos pelo cumprimento integral das normas”, referiu ainda o comunicado.

O CHTMAD dispõe de um sistema de recolha de resíduos, “em que uma empresa externa faz o respectivo tratamento em observância rigorosa da legislação em vigor”.

Além da formação específica dada a todos os profissionais, o centro hospitalar disse que dispõe de normas e regulamentos que todos profissionais devem cumprir e referiu as auditorias realizadas regularmente.

Na última auditoria, datada de 11 de Junho e que foi feita após o CHTMAD ter recebido uma carta anónima, “não foi identificada nenhuma situação incorrecta, estando todos os sacos nos contentores adequados, os quais se encontravam igualmente bem identificados”.

A administração referiu ainda que, logo que se conclua o inquérito, dará conhecimento das conclusões à comunicação social.

A existência de resíduos hospitalares no aterro foi revelada na quarta-feira e, na altura, o Fernando Campos exigiu “logo” a abertura de um inquérito por parte do CHTMAD.

A Resinorte também já abriu um inquérito para averiguar a “exacta” proveniência dos resíduos hospitalares, assim como o seu “incorrecto e ilegal” encaminhamento para o aterro sanitário.

Por causa desta situação, o autarca social-democrata, exigiu “a demissão imediata” da administração do CHTMAD.

Relativamente à questão da demissão, o presidente do Conselho de Administração, Carlos Vaz, apenas afirmou que não comenta comentadores.