Reportagem

Optimus Primavera Sound: a chuva não esmoreceu Kings, The xx e Weeknd

Em vez de virarem costas às contrariedades, os noruegueses Kings Of Convenience assumiram-nas e contornaram-nas
Fotogaleria
Em vez de virarem costas às contrariedades, os noruegueses Kings Of Convenience assumiram-nas e contornaram-nas Paulo Pimenta
Estiveram cerca de 20 mil pessoas no terceiro dia do festival
Fotogaleria
Estiveram cerca de 20 mil pessoas no terceiro dia do festival Paulo Pimenta
Warren Ellis, cúmplice de Nick Cave nos Grinderman, com a habitual performance de fisicalidade caótica
Fotogaleria
Warren Ellis, cúmplice de Nick Cave nos Grinderman, com a habitual performance de fisicalidade caótica Paulo Pimenta
Ao terceiro dia, a chuva apareceu a sério, transformando o paraíso num lugar mais difícil
Fotogaleria
Ao terceiro dia, a chuva apareceu a sério, transformando o paraíso num lugar mais difícil Paulo Pimenta
Os The xx apresentaram algumas das canções que integrarão o álbum <i>Coexist</i>
Fotogaleria
Os The xx apresentaram algumas das canções que integrarão o álbum Coexist Paulo Pimenta
Com uma presença contida mas autêntica em palco, os The xx voltaram a conquistar
Fotogaleria
Com uma presença contida mas autêntica em palco, os The xx voltaram a conquistar Paulo Pimenta
O públicou reconheceu todas as canções do primeiro álbum dos The XX ao primeiro acorde
Fotogaleria
O públicou reconheceu todas as canções do primeiro álbum dos The XX ao primeiro acorde Paulo Pimenta

E ao terceiro dia apareceu a chuva intensa, mas mesmo assim cerca de 20 mil pessoas não esmoreceram, vibrando com descontracção ao som de Kings Of Convenience, The xx ou The Weeknd. O festival, com balanço muito positivo, termina hoje.

Um festival ao ar livre também se arrisca a ser isto. Chuva, alguma lama e os impermeáveis a tapar a roupa que se queria exibir no parque da cidade. Sim, ao terceiro dia, a chuva apareceu a sério, transformando o paraíso num lugar mais difícil.
Existem muitas formas de lidar com os momentos de crise. James Ferraro desapareceu em parte incerta e os americanos Death Cab For Cutie foram-se embora porque, segundo um membro da organização, o palco não reunia todas as condições à hora marcada e o grupo tinha de seguir viagem. Um pouco estranho.

Mas não tem de ser assim. Que o digam os noruegueses Kings Of Convenience. Em 2002 chegaram a um festival de música electrónica no Meco ([email protected]) e, no meio da parafernália dançante, munidos apenas de duas violas acústicas, puseram toda a gente a ouvi-los e a bater palmas a compasso.

Dez anos depois, e muitas vindas a Portugal pelo meio, aterraram no palco maior do Primavera Sound, munidos das mesmas violas. É verdade que a essa hora a chuva já tinha acalmado, mas o som de um outro palco teimava em intrometer-se no meio da sua música quase silenciosa. Em vez de virarem costas às contrariedades, assumiram-nas e contornaram-nas.

Para quem já os viu inúmeras vezes, como nós, a sua música e atitude não possui o mesmo efeito de encanto. Mas que bom é de ver que, dez anos depois, mantém intacta a vontade de conquistar, fazendo-o com uma graça natural desarmante. E o público rendeu-se-lhes incondicionalmente. Foi deles e dos The xx o – passe a expressão – banho de multidão do terceiro dia.

Inicialmente, fizeram-no apenas à guitarra, com as 20 mil pessoas – antes do som do palco ATP se intrometer – quase silenciosas a ouvir a filigrana folk que partia do palco. “Quase que se pode ouvir o vento nas árvores” dizia alguém. Depois vieram mais três músicos e as canções (de
Failure a Misread) foram desfilando, sem pressas, com o duo a interagir com a assistência e esta a mostrar que sabia muitas das letras de cor.
Às tantas, Erlend Oye improvisou uma letra, reflectindo porque são um caso de sucesso em Portugal, discorrendo sobre a forma como eles e os portugueses vivem a tristeza e a alegria, numa espécie de melancolia feliz. Talvez seja isso, então. Embora o acto de pensar sobre o assunto já seja parte da explicação.

De tal forma o som do palco ATP era intenso que não resistimos a dar-lhe alguma atenção. E não nos desiludimos, com os Dirty Three, a proporem uma catarse para violino, bateria e baixo, e o líder (o barbudo Warren Ellis, cúmplice de Nick Cave nos Grinderman) com a habitual performance de fisicalidade caótica.

No mesmo palco, depois, surgiram os Forest Swords e os Demdike Stare, duas das propostas mais exploratórias da electrónica narcótica e futurista do Reino Unido. E soube bem. Em particular os primeiros, com um baixista e um programador de sons em sintonia, numa música sombria pós-Burial, que parte de linguagens como o dub e dubstep, sem perder a singularidade.

Indefiníveis são também os The Weeknd, projecto do canadiano Abel Tesfaye, autores daquele que terá sido o melhor concerto da noite. Para quem entra na música do projecto, claro. Porque quem fica à porta, nunca os entenderá. A sua música parece perfeitamente enquadrável, algures entre o R&B, o hip-hop e a electrónica. E no entanto, não o é. Em disco parecem um grupo de laboratório. Em palco, apresentam uma orgânica e um dinamismo surpreendentes, com a voz em falsete de Abel sempre entrecortada por guitarras ruidosas e um balanço rítmico poderoso, com baixo e bateria a procurarem o ângulo inusitado. Nem nós, que gostamos muito da sua música, esperávamos tanto.

No campo das expectativas, a maior desilusão terão sido os Saint Etienne. Em décadas passadas foram capazes de compor algumas das canções pop electrónicas mais cantaroláveis que o Reino Unido já conheceu, mas ali pareceram desenquadrados. O mesmo se poderia dizer dos Spiritualized, embora estes tenham a enorme atenuante de terem actuado quando a chuva era intensa e Portugal se preparava para a estreia no Europeu de futebol.

Se na véspera já era difícil ter um roteiro de concertos previamente definido, com quatro palcos a funcionar, ontem mais difícil foi com a chuva. Lee Ranaldo ou Afghan Whigs foram apenas alguns dos que não vimos. Dos Washed Out e dos Wavves vimos um pouco e pela reacção entusiasta da assistência, no final de ambos, é capaz de ter sido bem bom.

Se existe qualquer coisa que define o Primavera Sound é precisamente a possibilidade de cada um criar o seu próprio roteiro, criando uma narrativa sua para o festival. Cada um terá a sua própria visão do mesmo. O evento, entre outras coisas, teve o efeito de contrariar uma série de chavões que existem sobre os festivais, nomeadamente dois: em primeiro lugar que são reduto apenas para adolescentes. No recinto viu-se um público adulto e exigente, que sai de casa quando o cartaz o alicia e quando não é inundado de publicidade apenas dirigida a adolescentes.

Em segundo, a própria música. Por mais que a realidade seja complexa ainda existe a ideia de que há um tipo de bandas que se adequa mais a festivais. Os Beach House na sexta e os The Weeknd, Kings Of Convenience e The xx contrariaram em absoluto esse cliché. No último grande concerto da noite de ontem o trio de ingleses tratou de o demonstrar mais uma vez.

Sem grandes artefactos cénicos e com uma presença contida mas autêntica em palco, os The xx voltaram a conquistar. E não optaram pelo mais fácil, que seria basearem a sua prestação apenas no álbum homónimo de 2009. Não. Decidiram apresentar algumas das canções que integrarão o álbum
Coexist, a lançar em Setembro. Pela amostra, parecem ainda canções mais descarnadas, se tal é possível, do que aquelas que já se conhece.
Nota-se também que Jamie xx, que fica lá atrás, tem agora mais protagonismo, afirmando-se como o verdadeiro operador sonoro, enquanto Romy Madley e Oliver Sim se entregam aos jogos vocais, com a voz aveludada dela a entrelaçar-se na perfeição com o registo grave dele e com as linhas de baixo redondas.

Passaram em revista o seu único álbum (
Islands, Crystalized, Basic Space ou VCR), com todas as canções a serem reconhecidas ao primeiro acorde pelo público. É esse efeito de reconhecimento – no som minimal mas penetrante e na postura introvertida mas verdadeira – que cria pontes com o público que, ou respeita o espaço entre notas, ou reage efusivamente, acabando por criar um clima especial nos concertos do trio.
Hoje, na Casa da Música e no Hard Club, já em regime de fim de festa, ainda há concertos com Olivia Tremor Control, Kindness ou Veronica Falls E para o ano, garantiu a organização, haverá mais. Ainda bem, porque foi um excelente festival. Valeu a pena.