Futebol

José Peseiro regressa de seis anos no "exílio" para liderar Sp. Braga

Peseiro estava sem clube
Foto
Peseiro estava sem clube Foto: Nicolas Asfouri/AFP

José Peseiro vai ser o treinador do Sporting de Braga para as próximas duas temporadas. O ex-seleccionador da Arábia Saudita chegou na segunda-feira a acordo com o presidente bracarense, António Salvador, faltando apenas definir quais os adjuntos que acompanham o novo técnico. Um dos nomes que deverão fazer parte da equipa técnica é Fernando Couto, que desempenhou as funções de manager do clube entre 19 de Junho de 2010 a 16 de Janeiro de 2012.

O antigo internacional português saiu do clube para um projecto desportivo na Índia - que entretanto abortou -, mas também devido a um relacionamento alegadamente tenso com Leonardo jardim. Eduardinho, que acompanha Peseiro desde os tempos do Nacional, deve ser outra das escolhas, permanecendo Rui Correia, o único a transitar da anterior equipa técnica, como treinador de guarda-redes.

O homem que chegou a levar o Sporting a uma final da Taça UEFA é o 12.º treinador do reinado do actual homem forte do Braga e vai ocupar o lugar de Leonardo Jardim, que abandonou recentemente o cargo (apesar de ter mais dois anos de contrato) devido a uma entrevista que António Salvador entendeu constituir uma quebra de confiança entre o técnico madeirense e a direcção do clube.

Peseiro é também uma aposta na experiência, o que contrasta um pouco com as últimas apostas de Salvador desde a saída de Jesualdo Ferreira, no final da época de 2005/06. Nas temporadas que se seguiram, com excepção de Jorge Jesus na temporada de 2008/2009, Salvador apostou sempre em técnicos jovens e sem grande experiência, como Jorge Costa, Domingos Paciência e finalmente Leonardo Jardim, um técnico que tinha acabado de promover o Beira-Mar ao escalão principal.

José Peseiro tem 52 anos e em Portugal já chegou ao topo quando treinou o Sporting por uma época e mais sete jornadas. Chegou a Alvalade em 2004, depois de uma passagem como adjunto de Carlos Queiroz no Real Madrid, mas apenas conseguiu levar a formação de Alvalade a uma final da Taça UEFA. Foi o culminar de uma subida vertiginosa que começou no Nacional da Madeira, clube que apanhou na segunda Divisão e levou até à I Liga. Com uma filosofia de jogo moderna, chegou a ser comparado a Mourinho. Mas os resultados ficaram muito distantes dos do Special One e na segunda temporada no Sporting acabou por sair à sétima jornada.

Peseiro referiu recentemente que não esperava regressar nos próximos tempos a Portugal e, questionado se só estava disponível para treinar um dos três "grandes", respondeu que estaria disposto a trabalhar em equipas que tenham "ambição e projecto, que lutem pelo campeonato e pelas vitórias nas outras competições". "Penso que já não são só Benfica, Sporting e FC Porto que fazem isso", rematou, como que adivinhando que o regresso poderia passar por uma equipa que vai entrar directamente nos play-off da Liga dos Campeões e que nos últimos anos apareceu nos lugares cimeiros da classificação.

Após abandonar o Sporting, a 18 de Outubro de 2005, Peseiro passou seis anos a trabalhar fora de Portugal. O primeiro destino foi o Al Hilal, da Arábia Saudita. Seguiram-se os gregos do Panathinaikos. Na apresentação, prometeu títulos, mas demitiu-se a 14 de Maio de 2008. Também não teve grande sorte na passagem pelos romenos do Rapid Bucarest. Assinou a 3 de Junho e foi despedido no início de Outubro. Regressou à Arábia Saudita para ocupar o cargo de seleccionador. As coisas também não correram bem.