Defende que o problema é a qualificação

Portugal arrisca pôr-se a caminho do Terceiro Mundo, diz Teodora Cardoso

Foto: Rui Gaudêncio
Foto
Foto: Rui Gaudêncio

A presidente do Conselho de Finanças Públicas, Teodora Cardoso, considera que a política de cortes salariais aconselhada pela troika e seguida pelo Governo pode pôr Portugal a caminho do Terceiro Mundo.

“Hoje em dia é praticamente impossível um país desenvolvido, como, apesar de tudo, nós somos, andar a competir com os países muito mais pobres do que nós, com níveis de rendimento e, portanto, de salários muitíssimo baixos”, sustentou numa entrevista à Antena 1. “Se o nosso nível de competitividade quer ir para esse lado, isso significa que, então, nós nos estamos a candidatar a passar para o Terceiro Mundo, se não para o quarto.”

“Acho que a troika comete um erro em considerar” que é o problema “dos salários altos” na área das empresas exportadoras “que nos impede a competitividade”, especificou Teodora Cardoso, dizendo que “haverá casos em que, de facto, nós podemos ter necessidade de reduzir salários, mas, mais uma vez, o problema fundamental é o da estrutura da nossa produção e, mais uma vez, o da qualificação”.

Numa entrevista à TSF, defendeu por outro lado que o Governo deve empenhar-se mais na explicação das medidas que toma em matéria de política económica.

“É preciso tornar muito claro que nós não estamos a tentar unicamente corrigir algumas coisas para voltar ao passado, mas estamos, efectivamente, a propor-nos mudar mesmo de vida. E isso requer um programa claro. Não é listas de medidas. Isso é daquelas coisas que não vale a pena fazer”, disse a esta rádio.

Pensa também que “temos possibilidade de recuperar, se fizermos as coisas bem feitas”, e que “dentro de cinco anos poderíamos ter impostos claramente mais baixos”.