Fotogaleria
Lena Dunham é uma das criadoras da série DR
Fotogaleria
DR

Megafone

“Girls” e o sexo mau

A questão da sexualidade no humor ganhou novos contornos com a estreia de "Girls". Teremos um novo "motor sexual"? Sim, só que híbrido, amigo do ambiente e, por isso, não tão excitante

Se Jean de Santeul, com o seu "Ridendo Castigat Mores", pretendia mudar o mundo pelo Humor, já Wilhelm Reich, nos anos 1920, achava que bom sexo faria uma sociedade melhor.

 

Este discípulo de Freud entendia que o prazer sexual era fundamental para o florescimento humano e se fosse com orgasmo melhor ainda. Associava a emancipação sexual à emancipação política do homem: "A Humanidade deveria fornicar o seu caminho para a liberdade."

 

A questão da sexualidade no humor, que já por aqui tinha andado, ganhou novos contornos com a estreia de "Girls", na HBO. Poucas vezes, no passado, uma série causou tanta discussão como esta criada por Lena Dunham e Jenni Konner, produzida por Judd Apatow: ao livrar-se de uma abordagem pedagógica da sexualidade, expõe as "relações" de um determinado grupo/geração com o sexo de um modo muito pouco comum.

 

Nos anos 60, Dr. Alex Comfort, o guru "dessa" revolução sexual, repetia a teoria de Reich, não tão politizada, reclamando para si os direitos dos novos tempos sexuais. Confirmou que as revoluções tendem a ser idênticas, pelo menos porque todas se dizem originais. Seremos testemunhas de uma nova, agora sim diferente? Ou estaremos a confirmar a regra?

 

"O Sexo e a Cidade", mas "agora"

No Humor, como já vimos, Mae West fez mais do que a maioria das emancipadas dos anos seguintes. E só mesmo nos anos 70, com o "The Mary Tyler Moore Show" ou mesmo com "Edith Bunker" e a sua sensatez, as coisas foram postas de um modo claro. A mulher assumia finalmente um papel, apesar de ambíguo, no seu destino. Joyce Davenport na "Balada de Hill Street", "Murphy Brown", "Ally McBeal" e até "Grey's Anatomy" ajudaram a definir as sexualidades a seu tempo. Mas é com "O Sexo e a Cidade" que "Girls" é associado. 

 

Por preguiça, Dunham, quando quer definir "Girls", diz que a sua série é como "O Sexo e a Cidade", mas "agora". Nada mais. Tem sexo e também tem cidade. Acrecenta o facto de o QI delas agora ser mais elevado, terem melhor gosto e usarem sapatos rasos porque usam transportes públicos. A qualidade do Humor melhora, a cidade mudou, mas o sexo, pelos vistos, é pior.

 

Dizem que "o não ceder ao desejo, contrariá-lo, não cedendo totalmente" é o "motor sexual" da actual revolução. 

 

Só que Lena Dunham estraga tudo mostrando, com o realismo e a crueza de um Louie, como são as relações de três raparigas com estudos. Poderemos chamar-lhes "betas emancipadas", livres e independentes, mas cujos rendimentos vêm das contas dos pais (esta é outra das críticas à série, todas as intervenientes têm "pedigree", como tal não têm o direito de representarem uma geração, como alguns pretendem).

 

Um "motor sexual" amigo do ambiente

Teremos então um novo "motor"? Só que híbrido, amigo do ambiente, e, por tal, não tão excitante quanto os das décadas anteriores. Como Jessa diz no segundo episódio: "Não gosto que as outras mulheres decidam quando e como devo fazer sexo. Todas as vezes que o fizer, será a minha escolha.” E não só a camaradagem, que foi a imagem de marca de "O Sexo e a Cidade", que é posta em causa, mas também a relação com os homens. Diz Marnie ao seu perfeito namorado: "Não é suposto fazeres-me as vontades. Deves ir à tua vida, não me ligares nenhuma. É isso o que fazem os homens." Ou a genial frase entre amigas: "Procura alguém que te encha de retóricas abusivas."

 

Há quem o justifique com as "novas" tecnologias, mas aqui não cola. A melhor tecnologia sempre serviu sexo. O vibrador foi o quinto utensílio doméstico a ser electrificado, logo a seguir à máquina de costura, à ventoinha, à torradeira e ao frigorífico, para não falar na famosa caixa de Orgone de Wilhelm Reich que vez furor entre os "beatnicks" ou a cama celestial de James Graham, célebre na Londres Vitoriana.

 

Não serão as angústias de "Hefty" Lena Dunham muito diferentes das de um Woody Allen — até se tocam no estilo dos falidos anos 70. Só que com "Girls" teremos "humor retorcido" mas não "espantosas técnicas sexuais"... só sexo. Sexo mau, pelo que todos dizem. Jenni Konner, em resposta às críticas, comprometeu-se a melhorar os desempenhos nessa área.

 

(Agradeço aqui, publicamente como homem, e em nome dos homens, o facto da série criada por Darren Star, a tal "O Sexo e a Cidade", ter conseguido transformar as mulher em quatro estereótipos. Facilitou-nos imenso a vida.)