Cerimónia nesta terça-feira

Primeiro doutoramento honoris causa em Dança atribuído a Anna Mascolo

Anna Mascolo: "A dança quer sempre mais"
Foto
Anna Mascolo: "A dança quer sempre mais" Foto: Pedro Cunha

Anna Mascolo trabalha pelo reconhecimento da dança em Portugal há mais de 50 anos. Começou por dançar – tinha dez anos e ia às aulas às escondidas - mas é o ensino que mais a atrai. Nesta terça-feira, às 15h, recebe na Faculdade de Motricidade Humana, em Oeiras, o doutoramento honoris causa, o primeiro em dança do país.

No seu discurso, garantiu ao PÚBLICO, vai falar sobretudo do presente, e de como é inadmissível que não haja ainda um estatuto do bailarino em Portugal. Na sexta-feira, no Hotel Ritz, também em Lisboa, é lançado o livro Celebrar a Dança, mais uma homenagem à carreira desta professora que continua a ir para o estúdio duas vezes por semana. E sempre com o mesmo entusiasmo.

Atravessava muitas vezes as noites a escrever sobre dança a que fazia (anotava peripécias, erros, ideias) e a que gostaria de ver feita (propostas de estatuto do bailarino, sonhos para novas escolas). Conhecia bem as grandes companhias europeias e indignava-se com a forma como Portugal lidava com professores, coreógrafos e intérpretes, fazendo de conta de que a sua arte era como outra actividade qualquer. Era assim aos 28 anos, quando criou o seu estúdio-escola, é assim aos 81, quando se prepara para receber o doutoramento honoris causa. Na cabeça, Anna Mascolo não mudou. Continua a ensinar, a trabalhar de madrugada e ainda não desistiu de ver o país reconhecer que "um bailarino não é um contabilista".

"Para uma pessoa do espectáculo, a noite é como o dia. Habituei-me a ela. É a única altura em que consigo sentar-me a escrever aquilo a que eu chamo as minhas ilhas, que são pequenas histórias que eu vivi", diz Mascolo. Há anos que trabalha num livro de memórias, ainda longe de estar acabado.

As mesas e estantes da sua casa de Lisboa, com um corredor muito comprido, estão cobertas de papéis, dossiers, pastas com fotografias e cadernos de anotações. Nas paredes, há gravuras, esquissos, pinturas, desenhos e partituras com operetas e música para bailado. "Cada coisa aqui tem o seu tempo e todas fazem parte do meu." Dedica a vida à dança clássica desde os dez anos, idade que tinha quando chegou a Portugal, em 1940, vinda de Itália. "Fugimos por causa da guerra e depois fomos ficando." Até hoje, com muitas viagens pelo meio. "Quando andava pelo mundo pensava em Lisboa como um ninho. Regressar à cidade era regressar a casa, por mais fantástico que tivesse sido passar por Paris ou viver em Milão."

Dançar às escondidas

Anna Mascolo começou a estudar dança na Escola Italiana de Lisboa, com a conivência da mãe e sem que o pai soubesse. Foi também às escondidas que se inscreveu no Conservatório Nacional. "Lá a maioria dos professores achava que percebia alguma coisa da técnica clássica mas não percebia nada. E ensinava-nos mal, a mim, ao Fernando Lima e a todos os outros. Depois passei muito tempo a esforçar-me para que o meu corpo perdesse vícios e erros que vinham dessa formação." Mascolo e Lima trabalhavam horas no estúdio, procurando aprender um com o outro, mas foi nas aulas com companhias internacionais que mais aprendeu, primeiro em Portugal, depois em França e Itália.

Em 1940, Portugal tinha apenas os Bailados Verde Gaio, muito colados às directrizes do Estado Novo, que queria ver enaltecido o folclore. Só em meados da década de 40, Margarida de Abreu viria a fundar o Círculo de Iniciação Coreográfica, onde Mascolo chegou a dançar. "No Verde Gaio, as pessoas dançavam bem, mas a estética era muito limitada ao programa do regime, embora os professores lá não quisessem saber de ideologias. O grupo da Margarida de Abreu foi uma tentativa extraordinária de fazer mais e melhor pela dança, mas era preciso mais." No pós-guerra, lembra Mascolo, começaram a passar por Lisboa as grandes companhias, como o Grande Ballet do Marquês de Cuevas, os Ballets des Champs Elysées, então dirigidos por Roland Petit, e o New York City Ballet. Vê-los dançar no palco do Teatro Nacional de São Carlos acentuava ainda mais a sensação de que o ensino em Portugal não era o mais indicado.

Assim que chegava uma dessas companhias que andavam pela Europa em digressões contínuas para fazer dinheiro, depois de anos de guerra em que estiveram quase paradas, Anna Mascolo saía das aulas e punha-se à porta do São Carlos, a ver chegar os bailarinos e entrava com eles. Já no teatro, falava com o director ou um dos mestres de bailado e pedia para fazer as aulas. Foi assim que conheceu George Balanchine, um dos coreógrafos mais importantes do século XX, e Bronislava Nijinska, coreógrafa e professora (irmã do mítico bailarino Vatslav Nijinski). "O Balanchine era duro, mas estupendo. Não admitia que um bailarino entrasse no estúdio e por um segundo sequer não estivesse absolutamente direito da cabeça aos pés", recorda, admitindo que, no início, não conseguia compreender as aulas de Nijinska, que conheceu no Ballet do Marquês de Cuevas. "Na primeira aula, acho que Nijinska reconheceu que eu tinha talento, mas disse-me logo que eu tinha de aprender a dança. E eu, que já dançava há tanto tempo, não percebi o que ela queria dizer. Mais tarde compreendi que quase tudo o que eu fazia estava mal para os padrões das grandes companhias." Aceitando os conselhos de professores e bailarinos estrangeiros, Mascolo viajou primeiro para Paris e depois para Milão, onde teve aulas no Teatro alla Scala, ao lado da grande intérprete clássica Carla Fracci, que dançou com bailarinos como Rudolf Nureyev, Erik Bruhn e Mikhail Baryshnikov.

"Foi em Milão que aprendi que, para formar um bailarino, é preciso ensino integrado, ou seja, trabalhar todos os aspectos da pessoa, ensinando-lhe várias técnicas, mas também conceitos elementares de anatomia para que possa compreender o seu próprio corpo e fazer da dança a sua segunda natureza." Os dois anos de Milão foram duros para a bailarina e para o marido, o arquitecto Vittorio Ferreira-David, mas absolutamente essenciais para que Mascolo decidisse que iria dedicar-se ao ensino no regresso a Portugal.

"Eu dançava bem, mas não era uma intérprete espectacular. O meu corpo sempre teve consciência das suas limitações." Em 1958, depois de muito tempo sem ter onde ensaiar, pôs em funcionamento o estúdio onde ainda hoje dá aulas duas vezes por semana. É aí que começa a sua carreira como pedagoga, que passa também pela Escola Superior de Dança de Lisboa, pelo Conservatório Nacional e pela Universidade Técnica de Lisboa. Pelo meio fica ainda a direcção artística do Grupo Experimental de Ballet, o núcleo que mais tarde daria origem ao já extinto Ballet Gulbenkian.

A dança em Portugal, garante, começou a mudar nos anos 60, mas ainda tem muito caminho pela frente, a começar pelo reconhecimento das particularidades da profissão de bailarino. A falta de um estatuto de desgaste rápido que permita ao bailarino reformar-se aos 40 anos, como acontece no Ballet da Ópera de Paris, exemplifica a professora, foi o que na sua opinião levou à extinção do Ballet Gulbenkian - "é preciso ver que a fundação já sustentava três elencos, e dois deles não dançavam" - e poderá conduzir a Companhia Nacional de Bailado a uma situação semelhante.

"Ser bailarino é fantástico, mas é uma profissão de grande exigência física e psíquica. Estamos permanentemente em luta connosco e isso é terrível. A dança quer sempre mais e não reconhece outra coisa que não a própria dança. Nunca é condescendente."