Entidade liderada por Teodora Cardoso

Conselho das Finanças Públicas diz que estratégia do Governo é “apropriada”, mas previsões “optimistas”

Previsões macroeconómicas do Governo são optimistas, diz Conselho de Finanças Públicas
Foto
Previsões macroeconómicas do Governo são optimistas, diz Conselho de Finanças Públicas Nuno Ferreira Santos

Primeiro relatório analisa conteúdo do Documento de Estratégia Orçamental para o período de 2012 a 2016.

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) defende que o Governo está a seguir uma estratégia de ajustamento orçamental “apropriada”, mas alerta que as previsões macroeconómicas feitas pelo Executivo “parecem basear-se em hipóteses excessivamente optimistas”, o que pode colocar em causa os objectivos para o défice.

No primeiro relatório publicado pela entidade liderada por Teodora Cardoso, é analisado o conteúdo do Documento de Estratégia Orçamental para o período de 2012 a 2016 enviado pelo Governo a Bruxelas e à Assembleia da República. O CFP – que foi criado no passado mês de Fevereiro – diz que, em geral, o Executivo “definiu uma estratégia de ajustamento apropriada e a tem até agora prosseguido correctamente”.

No entanto, deixa também uma série de avisos. Para além de dizer que “a capacidade de controlar firmemente a despesa pública é a chave que evitará os recuos e a frouxidão orçamental do passado”, assinala que “as previsões macroeconómicas subjacentes à projecção e à estratégia orçamental do Governo português parecem basear-se em hipóteses excessivamente optimistas”, lembrando que tal facto pode ter “como consequência uma perspectiva orçamental optimista, com um efeito cumulativo a médio prazo sobre o rácio da dívida pública relativamente ao PIB”.

Para resolver este problema, que se verifica já há vários anos em Portugal, o CFP recomenda que “as projecções macroeconómicas devem ser confiadas a uma instituição independente, dotada dos recursos adequados”.