A viagem de um documento matemático pela Europa

Figura geométrica na margem de uma das páginas do códice
nuno ferreira santos
Foto
Figura geométrica na margem de uma das páginas do códice nuno ferreira santos

Stralsund é uma pequena cidade alemã, na Pomerânia Ocidental, na costa do mar Báltico, com cerca de 57 mil habitantes. Como é que um códice, escrito por Francisco de Melo, saiu de Portugal e acabou no arquivo da cidade é uma história com vários intervenientes, que passa por ofertas, compras, vendas e mortes. É também um exemplo do que pode ter acontecido a muitos outros documentos portugueses.

"Suspeito de que muito património intelectual português esteja em bibliotecas de segundo nível", diz Henrique Leitão, aludindo a documentos que andaram de mão em mão ao longo de séculos. Mas é muito difícil seguir-lhes o percurso antes de os ter nas mãos.

No caso deste códice, a maior incógnita da sua viagem continua a ser dentro de Portugal. Não se sabe como é que o documento saiu da posse da família real. O certo é que, já no século XVII, foi ter às mãos de Luís Serrão Pimentel (1613-1679), o cosmógrafo-mor e, posteriormente, engenheiro-mor de Portugal.

De alguma forma, Serrão Pimentel adquiriu o documento, mas depois ofereceu-o ao marquês de Liche, um nobre espanhol com uma extensa colecção de obras de arte e uma grande biblioteca. O marquês, que ficou com o códice numa visita ao cosmógrafo, levou-o para Espanha. Quando morreu, em 1687, o documento voltou a mudar de país.

O embaixador sueco em Madrid, Johan Gabriel Sparwenfeld, comprou parte do espólio do marquês de Liche, e a obra seguiu viagem. Anos depois (e sem se saber como), o manuscrito ficou na posse do general Axel von Lowen, que foi governador-geral de Stralsund entre 1748 e 1767, durante o domínio sueco desta região. Em 1761, o general doou à cidade a sua colecção de 2500 volumes, incluindo a obra de Francisco de Melo. "Esteve lá mais de 200 anos e ninguém notou", conta Henrique Leitão. "Até que apareceu um especialista [Jürgen Geiss], que fez um trabalho de imenso mérito e percebeu que [o documento] devia ter muito interesse para os portugueses."

Para o historiador português, estas voltas de um objecto ao longo dos séculos fazem parte de um padrão. A documentação circulava em canais que estavam relacionados com o comércio, com a riqueza. "É de prever que muitos destes manuscritos tenham ido para fora de Portugal", diz Henrique Leitão, acrescentando que o espólio português nas principais bibliotecas europeias já é bem conhecido e agora falta tudo o resto.

Será que se vai ficar à espera de mais acasos como este, em que um especialista estrangeiro bateu à porta das instituições portuguesas com um objecto valioso na mão? Henrique Leitão não vê outra forma para encontrar essa herança histórica. "A alternativa seria procurar nessas bibliotecas, só que estamos a falar de centenas de bibliotecas na Europa." N.F.