Este ano o S. João do Porto não são dois dias: vai durar seis semanas

Foto
Câmara do Porto diz já ter assegurado patrocínios que cobrem os 200 mil euros que se propõe investir no programa das festas de S. João NFACTOS/JORGE SILVA

Eventos habituais na cidade, como o Serralves em Festa, o FITEI ou as inaugurações simultâneas do quarteirão da Miguel Bombarda, incorporam o programa das festas que vai de 29 de Maio a 8 de Julho

No Porto, o S. João já não é só uma festa popular que arrasta multidões para a rua na noite de 23 de Junho, com música e baile até ao nascer do dia 24. Este ano, o S. João começa a 29 de Maio e termina a 8 de Julho e cabe ali tudo o que for acontecimento cultural da cidade, desde o Serralves em Festa ao Bairro dos Livros, passando pela Feira do Mundo Rural ou os concertos da Casa da Música. De 23 para 24 de Junho, as coisas não mudam muito.

O vice-presidente da Câmara do Porto, Vladimiro Feliz, apresentou ontem o programa de um S. João que quer assumir-se, cada vez mais, como "uma marca global". Para cativar os turistas já não basta dizer que há sardinhas, alhos-porros, martelinhos e bandas populares durante uma noite inteira. É preciso explicar tudo o resto que a cidade oferece e que, entre o final de Maio e o início de Julho, também é S. João.

Tudo somado são seis semanas, em que a primeira é, sobretudo, Serralves em Festa e o Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI). Serralves volta a sair da fundação e salta, desta vez, para o centro histórico, juntando-se ao projecto Manobras no Porto (apoiado pela Porto Lazer) para criar um monopólio gigante na Cordoaria, assistir ao Baile de Aldara Bizarro, no Largo de Miragaia (ambos no dia 1 de Junho), percorrer as ruas da cidade com os Não-músicos Ensemble, de Nuno Rebelo, ou participar no Ho Brass on the Grass, do compositor norte-americano Alvin Curran, no Terreiro da Sé (2 de Junho).

A câmara contribuiu com três dias de Festa da Criança (1, 2 e 3 de Junho), nos jardins do Palácio de Cristal, antes de se saltar para a segunda semana do programa, que é a do Optimus Primavera Sound, das inaugurações na Miguel Bombarda e da 3.ª edição do Bairro dos Livros. A 16 de Junho (e já estamos na terceira semana), a Rua das Flores vai receber o Mercado, mais um evento do Manobras no Porto que reunirá naquela artéria "alguns dos mercados emblemáticos da cidade". Pelas ruas da Baixa vão andar também alunos e professores da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo, no Festival ESMAE, e a 17 de Junho há corrida de S. João.

O S. João, propriamente dito, chega na quarta semana de festa e, este ano, a Câmara do Porto organizou, para a tarde do dia 23, o desfile Ranchos em Arruada. A partir das 15h, vários ranchos folclóricos vão desfilar a partir de diferentes praças (Carlos Alberto, Cordoaria, Ribeira, D. João I, Batalha e Poveiros) até à Avenida dos Aliados, marcando o arranque das danças e cantares que se prolongarão pela noite.

Nos Aliados, há baile logo a partir das 22h30 (mantendo-se os bailes tradicionais organizados pelas freguesias), mas é depois do fogo-de-artifício conjunto com a Câmara de Gaia, sobre o rio Douro, que a noite promete aquecer. Na placa central da avenida será montado um palco, com dois sistemas de som dirigidos em sentidos opostos. Um vai soltar as típicas músicas de baile o outro terá rock e música electrónica. Confusão de sons neste Arraial Minimal? Logo se vê. Prometido está que a zona do arraial será animada por Fernando Alvim e que Zé Pedro, dos Xutos e Pontapés, será um dos DJ do lado minimal (o da música electrónica). A 24 há ainda a tradicional regata de barcos rabelo e o concerto de S. João, no Palácio de Cristal.

As Rusgas de S. João, associadas ao evento Siga a Rusga, desenvolvido por quatro companhias de teatro, estão marcadas para o dia 30. As festas fecham com a competição de vela Extreme Sailing Series 2012. Vladimiro Feliz diz que o investimento autárquico "não ultrapassará os 200 mil euros" ,"coberto por patrocínios", pelo que este é "um evento equilibrado, que gera retorno".