Um neurocientista português nos jogos olímpicos

Aos 34 anos, Tiago Brandão Rodrigues vai ser o Adido Olímpico da Missão Portuguesa nos Jogos Olímpicos de Londres. A viver no estrangeiro há 13 anos, o neurocientista é investigador na Universidade de Cambridge

Foto

Chama-se Tiago Brandão Rodrigues, é investigador na Universidade de Cambridge, no departamento de Bioquímica e no Cancer Research UK, e foi convidado para ser o Adido Olímpico da Missão Portuguesa nos Jogos Olímpicos de 2012. Nascido em Paredes de Coura, Tiago  passou por Braga, Coimbra, Madrid e Dallas, até se instalar no Reino Unido. 

À equipa da missão, chefiada por Mário Santos e por Nuno Delgado, junta-se agora este jovem de 34 anos: a sua tarefa é, "no tempo dos jogos", estar com os atletas "na aldeia olímpica e criar as melhores condições possíveis" para dirigentes, treinadores e atletas, explica. O objectivo é que esta "família olímpica" possa "sentir o espaço de forma relaxada e informal" e viver "os Jogos Olímpicos com a concentração e o dinamismo de que precisam". 

Tiago conta que é sempre criada, pelo Comité Olímpico, uma missão para desempenhar um papel diplomático. Nesse seguimento, o comité falou com a embaixada portuguesa, que referenciou "o nome de várias pessoas que, dentro da comunidade portuguesa no Reino Unido, têm alguma experiência organizativa". Entre esses nomes estava o de Tiago. Após uma ronda de entrevistas, o investigador foi o seleccionado. 

De Braga ao Texas

Natural de Paredes de Coura, Tiago mudou-se para Braga para terminar o ensino secundário, onde colaborou num projecto de investigação, em parceria com a Universidade do Minho, e através do qual conheceu "algumas pessoas licenciadas em Bioquímica. "Era uma das áreas que tinha perspectivadas para estudar, mas quando temos 16 ou 17 anos é difícil tomar essas decisões e entender verdadeiramente o que elas implicam", conta.

Após quatro anos a estudar Bioquímica na Universidade de Coimbra, "surgiu a oportunidade de embarcar num projecto Erasmus" para fazer o estágio final de curso. Tiago conta que rumou, então, para Madrid e que, no Conselho Superior de Investigações Científicas, teve "a sorte" de ir para um "laboratório de ressonância magnética".

Quando regressou, começou o doutoramento baseado nas investigações iniciadas em Madrid, particularmente sobre o funcionalismo "do metabolismo cerebral". Embora tenha defendido a tese em Coimbra, "95% da investigação foi feita em Madrid", tendo estado, ainda, "em Dallas, no Texas", acrescenta.

Quando esta fase da sua vida se encerrou, Tiago considerou emigrar para o Reino Unido, Suíça ou Estados Unidos da América. A escolha recaiu sobre Cambridge, explica, principalmente pela "credibilidade" que lhe dava o laboratório e a "ciência fascinante" que lá se pratica. O investigador considera que, apesar de ter " muita tradição", a Universidade de Cambridge é, "ao mesmo tempo", muito moderna "na forma de fazer ciência".

Actualmente em cooperação com o departamento de Bioquímica da Universidade de Cambridge, o neurocientista desenvolve metodologias para a detecção precoce de tumores. O objectivo é criar abordagens que permitam "detectar", prematuramente, "se os tumores estão presentes em determinado tecido" e "ver se um determinado tratamento está ou não a funcionar" passados "poucos dias depois do início" deste, explica.

Já foram feitos estudos "in vitro" e em animais e, em breve, o laboratório vai começar, no Hospital Addenbrooke, em Cambridge, "um dos primeiros ensaios clínicos", assegura o português.
Voltar a Portugal é uma hipótese em aberto

Além de ser vogal do Conselho Fiscal da Portuguese Association of Researchers and Students in the United Kingdom (Parsuk), Tiago Rodrigues também integra a direção da Cambridge University Portuguese Speakers Society (Cuportss).