Passos Coelho vai receber movimento anti-tourada

"Se for preciso fazer um referendo, faço já", disse ao P3 Sérgio Caetano, promotor do movimento Abolição das Corridas de Touros. "Não tenho a menor dúvida que somos a maioria"

Foto
“Vai ser um dia histórico”, diz Sérgio Caetano Rodrigo Gatinho

Pedro Passos Coelho vai receber esta terça-feira, pelas 17h00, Sérgio Caetano, que irá apresentar o movimento Abolição das Corridas de Touros, o mais votado no portal de Internet do Governo.

“Vai ser um dia histórico”, disse ao P3 o jornalista e membro da associação SOS Rio Paiva, que em Janeiro viu uma porta aberta, uma “oportunidade excelente” para levar até junto do primeiro-ministro uma “mensagem inequívoca”: “A maioria dos portugueses não gosta e quer ver abolidos estes espectáculos”.

São passos que já deviam ter sido dados há muito tempo”, sublinha Sérgio Caetano. “Temos que nos adaptar ao século XXI. A industria tauromáquica beneficia de regalias e de excepções legais injustas. Não podemos manter este negócio. É isto que quero mostrar ao primeiro-ministro”.

A votação O Meu Movimento no portal do Governo contou com a participação de mais de 16 mil pessoas em 1008 causas nas mais diversas áreas — o segundo movimento mais votado defende a disciplina Educação Visual e Tecnológica — sendo que mais de metade votou no movimento de Sérgio.

“Tenho recebido muitas mensagens de gente entusiasmada e com vontade de demonstrar que somos a maioria. Disso não tenho a menor dúvida. Se for preciso fazer um referendo, faço já”, sublinha o promotor do movimento.

Foto

O sofrimento existe

Foto

“Sei que as pessoas não vão para as touradas aplaudir o sofrimento dos animais, mas a grande maioria dos adeptos desses espectáculos está tão habituada que já é insensível a esse sofrimento. É uma questão de educação e de formação cultural. Não podemos negar que o sofrimento existe”.

Sérgio Caetano assegura que aquilo que se passa em Portugal “é incrível”. “Os animais não são logo abatidos, não são assistidos por veterinários depois das touradas e muitos ficam dois dias em agonia dentro de camiões sem espaço e sem água para beber porque os matadouros estão fechados ao fim-de-semana”.

“Não é aceitável que a nossa sociedade em 2012 continue a aplaudir o derramamento de sangue e o desprezo pela vida evidenciado pelos artistas nas arenas, assim como não é admissível que no panorama actual, vários milhões de euros das nossas finanças públicas, sejam canalizados para a criação de animais para entretenimento, construção de praças de touros, aquisição de bilhetes para touradas, subsídios, etc”, pode ler-se na apresentação do movimento.

Desconhece-se a posição de Pedro Passos Coelho nesta matéria, mas a proibição das touradas teve já um "chumbo" este ano no Parlamento quando uma petição pelo fim das touradas chegou a ser debatida em plenário.