DR
Foto
DR

Megafone

“Self learner”... a aprender toda a vida

O conhecimento está cada vez mais acessível a todos os que têm acesso à Internet e a forma como é disponibilizado é imaginosa. Num tempo em que o que é hoje novidade é amanhã obsoleto, temos de ser o motor da nossa própria educação

A escola, a biblioteca, a sala, as mesas, o quadro, o giz, os livros de papel, as sebentas, os lápis, as canetas, as borrachas e o professor já não são os únicos meios que associamos à aprendizagem. A Internet mudou tudo... a televisão já tinha dado lugar a uma ideia muito feliz, a Telescola, que surgiu em 1964, e permitiu que cerca de um milhão de crianças completasse a sua escolaridade básica. Foi o primeiro passo na aprendizagem à distância. 

 

Mas hoje, com os dispositivos móveis, a Internet e as comunicações de banda larga, podemos aprender uns com os outros e não apenas com o professor, podemos definir o que queremos aprender e a velocidade a que o fazemos, e podemos ainda fazê-lo em qualquer lugar.

 

Há, actualmente, inúmeros conteúdos académicos e tutoriais disponíveis online, nos mais diversos “sítios” e formatos. O YouTube é talvez a mais conhecida plataforma, aqui ensinam-nos desde coser botões até equações diferenciais... E se houve tempo em que o conhecimento online estava pouco organizado e disperso, hoje há já muitos conteúdos estruturados de forma a fazer-se uma aprendizagem orientada. Além dos muito úteis conteúdos produzidos por “anónimos”, há organizações que se dedicam à difusão do conhecimento e constroem “cursos” com a dinâmica necessária a uma boa aprendizagem. 

  

Uma destas organizações é a Khan Academy, uma organização sem fins lucrativos, fundada por Salman Khan, graduado pela MIT e pela Harvard Business School, que tem como objectivo oferecer gratuitamente educação de nível superior de grande qualidade. Esta organização, que já contou com o apoio de Bill Gates e da Google, “ensina” conteúdos avançados das mais variadas temáticas, desde Álgebra a História, e já “leccionou” mais de 143 milhões de aulas. Coursera é outra organização que oferece gratuitamente cursos de temáticas avançadas online. Fundada por professores da Universidade de Stanford, tem hoje parcerias com algumas das melhores universidades para que a educação de excelência esteja acessível a qualquer pessoa. 

  

O MIT e Harvard anunciaram no passado dia 2 de Maio, a EdX, uma parceria que utilizará uma plataforma "open-source" para disponibilizar gratuitamente e online cursos destas instituições. Esta organização espera também utilizar a plataforma para investigar como se aprende e como pode a tecnologia melhorar o processo de aprendizagem. 

  

Começam também a aparecer “sítios” onde podemos aprender a programar de forma interactiva. O Codecademy é um deles. Ensina a programar HTML, CSS e Javascript e o objectivo é aprender começando logo a “escrever código”, para isso disponibiliza um interface que permite ao utilizador escrever código sem sair do ecrã em que está a aprender e sugere projectos para colocar em prática as competências adquiridas. Esta metodologia permite ultrapassar uma das mais frequentes frustrações de quem aprende: não conseguir perceber imediatamente para que é que “as coisas” servem e a não utilização imediata do conhecimento adquirido. Utilizando uma lógica de jogo ou de competição contra outras pessoas ou apenas contra o relógio, o Code Racer apela à nossa natureza competitiva para ensinar HTML e CSS. 

  

O conhecimento está cada vez mais acessível a todos os que têm acesso à Internet e a forma como é disponibilizado é imaginosa.
Num tempo em que o que é hoje novidade é amanhã obsoleto, temos de ser o motor da nossa própria educação. O conhecimento que se adquire com a experiência já não chega para sermos competentes durante os cerca de 50 anos de trabalho que se espera de nós.