Espetáculos também estão em saldos nos sites de descontos

Groupon, LetsBonus e Goodlife oferecem descontos que rondam entre os 40 e os 50% para concertos, espectáculos de “stand-up comedy”, musicais e sessões de cinema

Foto
SimonGreig/Flickr

Entre descontos para comprar sapatos, uma massagem ou umas férias através da Internet, nos últimos meses tem aumentado a oferta de promoções para actividades culturais, que permitem ir ao teatro ou a um concerto a preços de saldo.

Em páginas como as das empresas Groupon, LetsBonus e Goodlife, os descontos rondam entre os 40 e os 50% para concertos, espectáculos de “stand-up comedy”, musicais e sessões de cinema.

Esta semana no site Groupon, por exemplo, era possível comprar dois bilhetes para os concertos da cantora peruana Susana Baca em Lisboa e no Porto pelo preço de um, a cerca de vinte euros.

Boss AC por 7,5 euros

No LetsBonus, um concerto de Boss AC em Lisboa custava 7,5 euros, metade do preço praticado nas bilheteiras normais. Algumas exibidoras de cinema oferecem um bilhete na compra de dois e disponibilizam pacotes de promoções que incluem jantar e bilhete de cinema ou acesso mais barato à zona VIP das salas.

Há uma grande oferta no que toca a espectáculos de “stand-up comedy”, como os que se realizam no Teatro Mário Viegas, em Lisboa, onde se promete fazer rir “sem limite”, pagando metade por um bilhete.

Nenhum dos responsáveis contactados pela Lusa relaciona este aumento de oferta de preços de saldos com a subida do IVA desde Janeiro. Admitem porém que a crise alavancou esta procura, a par do interesse dos portugueses por actividades de “lazer e cultura”.

Gonçalo Sousa Uva, responsável da Goodlife, um dos sites de compras colectivas na Internet, explicou à agência Lusa que tem notado “uma maior abertura” na ofertas de descontos para compra bilhetes, quando contacta os agentes e as entidades envolvidas no sector da cultura. “É uma área atractiva para o negócio. Não garante uma facturação muito grande, mas atrai bases de dados”, explicou.

Gonçalo Poças, da plataforma Forretas, referiu à Lusa que também notou um aumento deste tipo de ofertas desde o final do ano passado e relaciona-o com a situação de crise que o país atravessa.

“A cultura ainda não é vista como um bem essencial e o consumidor retrai-se. Um bilhete de teatro custa 15 euros, se leva companhia sobe para 30 euros, se juntar um jantar ficará mais caro. As salas ficam vazias, por isso os operadores começaram a baixar os preços e a fazer campanhas”, descreveu.

No caso da plataforma Forretas, são os operadores que querem avançar com propostas de promoções e, desde novembro de 2011, Gonçalo Poças contabilizou cerca de 80 campanhas de oferta de descontos na área cultural.

Boris Hageney, co-fundador da Groupon, a empresa de compras pela Internet que opera em Portugal, Espanha e Itália, afirmou à Lusa que a vertente de lazer e cultura “é prioritária” e por isso, tal como nos outros segmentos, beneficia de descontos até 90 por cento.


“A Groupon oferece todos os dias entre 30 a 50 descontos aos seus utilizadores e todas as semanas incluímos, pelo menos, um relacionado com cinema, concertos ou peças de teatro”, referiu.