300 jovens reunidos durante 24 horas "non stop" para aprimorar ideias empreendedoras

Evento de empreendedorismo "non stop" BET 24H reuniu jovens para criar ideias e aprender a transformá-las em negócio. A plataforma de vendas Wishareit venceu o concurso

João Romão e Pedro Moura, da Wesharit, venceram o BET24H Gonçalo Soares
Fotogaleria
João Romão e Pedro Moura, da Wesharit, venceram o BET24H Gonçalo Soares
BikoBikoBiko/Flickr
Fotogaleria
BikoBikoBiko/Flickr

“Somos honestos ou não?”, questionam-se, entre risos, João Romão e Pedro Moura, antes de confessar que esperavam que o seu negócio vencesse o prémio mais importante do concurso Bring Entrepreneurs Together (BET 24H). O evento de empreendedorismo teve lugar na Universidade Católica em Lisboa desde as 18h horas de sexta-feira até à mesma hora de sábado, dia 5 de Maio.

A "start-up" vencedora — a plataforma de compras "online" Wishareit — vai receber apoio na incubação e 5000 euros do Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI). O objectivo do negócio de João Romão e Pedro Moura é revolucionar o universo da oferta de presentes, começando nos Estados Unidos.

Na  Wishareit, vai ser fundamental a ajuda dos amigos, sobretudo dos mais próximos, fugindo da “poluição mediática e social que existe hoje em dia”, explicou ao P3 Pedro Moura, um dos 300 empreendedores presentes no evento em Lisboa.

Foto
Os criadores da _Stufa, que ficaram em 2º lugar, querem vender kits para cultivar ervas aromáticas Gonçalo Soares

Ainda é possível inovar fora da Internet

Apenas uma das dez "start-ups" a concorrer para o mesmo prémio apresentou um produto fora da Internet. A _Stufa, que conquistou segundo lugar, vende um "kit" com sementes e um livro que ensina a semear e cuidar ervas aromáticas em casa “de forma muito sintética e divertida”, segundo Rita Ramos.

O irmão Miguel justificou a participação no BET 24H com a vontade de aprender, mas também de conseguir investidores. Através do "crowdfunding" — uma plataforma onde todos podem investir, até com valores tão pequenos como cinco euros —, a empresa já conseguiu 40% dos 4900 euros necessários para soltar a ideia do papel.

Diogo Almeida, da mesma empresa, não aprendeu tanto sobre "start-ups" e atracção de capital no curso de Gestão, na Universidade Nova, como durante este evento. Nos 16 "workshops" oferecidos foi ainda possível adquirir conhecimentos sobre criar patentes, comunicar, como ser bem sucedido numa entrevista de emprego, entre outros.

Noutros desafios do BET 24H, três jovens ganharam uma viagem à sede europeia da Google, na Irlanda, e três ideias de negócio conquistaram um lugar na plataforma de "crowdfunding" PPL, sendo que dentro de um mês aquela que conseguir mais apoio receberá o dobro do dinheiro necessário para lançar a actividade.

Antes do anúncio dos vencedores, dezenas de participantes dormiam no chão, em sofás ou apoiados nos colegas. Uma jovem adormeceu nas escadas. Mesmo assim, foram poucas as cadeiras disponíveis para ouvir alguns especialistas, como Boris Hageney, da Groupon, encarada pela revista Forbes como a empresa com o crescimento mais rápido do mundo. Pensar global e não local e dar o melhor todos os dias foram alguns dos conselhos mais ouvidos nas conferências.

O presidente do BET (Clube de Empreendedorismo da Católica Lisbon School of Business and Economics) destacou a diversidade das idades e das áreas de formação dos participantes. “Foi um teste de endurance para ver a resistência e a fibra de cada um e acho que muita gente quebrou aqui limites”, acrescentou João Andrade.