A Luz despede-se da época com vaias a Vieira e lenços brancos a Jesus

Foto
Foto; Hugo Correia/Reuters

A primeira boa notícia para os resistentes benfiquistas que ontem foram ao estádio surgiu quando os jogadores do Leiria apareceram no túnel — ia haver jogo. Depois do trabalho de os contarem, um a um, respiraram de alívio: eram mesmo onze, contando com quatro juniores (em sete) resgatados à última hora para a equipa titular. Os outros três atletas (num total de 14 convocados por Dominguez) ficaram no banco. Por isso, caíram palmas para os futebolistas leirienses quando entraram em campo, um gesto raro na Luz para as equipas adversárias.

Viveu-se um pouco da caridade no estádio. Do Benfica para com a União de Leiria, emprestando quatro jogadores (o guarda-redes Oblak, Shaffer, Barkroth e Djaniny, foram deles os lances mais perigosos da equipa), mas também dos leirienses para com os benfiquistas. Sem mais nada para ganhar que o título de melhor marcador de Cardozo, os livres à entrada da área cedidos de forma tosca eram perfeitos para o pé esquerdo do paraguaio.

Foi assim que começou a partida: logo aos três minutos, Cardozo (tem 19 golos no ombro a ombro com o bracarense Lima) bateu uma falta directa, mas Oblak impediu o primeiro festejo.

Sem o campeonato, perdido para o FC Porto na recta final, e sem hipóteses de ir ao Jamor, a consolação da Taça da Liga parece ter sabido a pouco e levou as claques do Benfica a afinarem as vozes contra o presidente (“Vieira escuta, o FC Porto é campeão”). Enquanto as bancadas discutiam entre si o apoio ou não ao líder “encarnado”, o jogo decorria morno no relvado.

Com as setas (e as atenções) do jogo apontadas a Cardozo, toda a gente ficou surpreendida quando Bruno César bateu o livre à entrada da área. Toda a gente incluindo o guarda-redes, que só deteve a bola dentro da baliza. O golo não mudou nada e o Benfica continuou a despediçar golos (Cardozo ia desesperando os adeptos com dois falhanços gritantes).

Era uma tarefa ingrata a de Dominguez. O quarto treinador do Leiria esta época (passaram pelo banco Cajuda, Vítor Pontes e Caixinha) só soube na véspera que conseguia reunir os jogadores suficientes para ir à Luz, depois de ter participado com apenas oito atletas na ronda anterior, frente ao Feirense. Mesmo assim manteve-se de pé, incentivou os jogadores.

Se Dominguez parece passar despercebido no seu trabalho de formiga, Jesus já tem pouca margem de manobra. Levar o Benfica a garantir o segundo lugar e a entrada directa na Champions (equivale a 7,2 milhões de euros) era o mínimo que se exigia. Essa prova (Liga dos Campeões) que levou o técnico a reconhecer há dias que não devia ter representado uma aposta tão forte e que o levou a descurar a Liga.

Com esse vazio nas mãos, o treinador mostrou-se apático, nada estridente como é costume, e limitou-se a ver a equipa andar pelo relvado. As oportunidades iam surgindo, mas a vontade era tão pouca que a bola parecia morrer nas mãos de Oblak. Foi assim com Aimar, Rodrigo, Witsel e, claro, Cardozo.

O resultado mínimo ante uma equipa que só se encontrou na véspera despertou um final de jogo de agonia e aí nem Jesus foi poupado. Lenços brancos começaram a aparecer um pouco por todo o estádio e os cânticos voltaram-se para dentro. As palmas foram todas para o Leiria.

Benfica 1União de Leiria 0

Jogo no Estádio da Luz, em LisboaAssistência: 31.070 espectadores

Benfica

Artur, Maxi Pereira, Luisão, Garay, Luis Martins, Witsel, Yannick (Nélson Oliveira, 62), Aimar (André Almeida, 76), Bruno César, Saviola (Rodrigo, 46) e Cardozo


(Suplentes: Eduardo, Emerson, Nélson Oliveira, Rodrigo, André Almeida, Rúben Pinto e Capdevila)


União de Leiria

Oblak, Pedro Almeida, Miguel Rodrigues, Alhafith, Shaffer, Keita, Filipe Oliveira, Ogu, Carlos Daniel, Djaniny (Miguel Baptista, 90+3) e Nicklas Barkroth


(Suplentes: Rafael Copetti, Luis Carlos e Miguel Baptista)


Árbitro

Rui Costa (Porto)

Amarelos

Garay (13’), Alhafith (19’), Maxi Pereira (26’), Ogu (36’) e André Almeida (85’)

Golo:

1-0 por Bruno César, aos 21 minutos.


Notícia actualizada às 23h30