Aos 76 anos

Morreu Fernando Lopes, um cineasta generoso

Realizador tinha 76 anos
Foto
Realizador tinha 76 anos Daniel Rocha

Fernando Lopes, um dos nomes de referência do Cinema Novo português, morreu esta quarta-feira aos 76 anos, confirmou ao PÚBLICO fonte familiar. O cineasta, que estava hospitalizado na Cruz Vermelha, em Lisboa, tinha um cancro na garganta, diagnosticado há cerca de um ano.

Com uma carreira de 50 anos, Fernando Lopes era, a par de Paulo Rocha e Manoel de Oliveira, uma das referências do cinema português. Autor de “Uma Abelha na Chuva”, de 1972, destacou-se recentemente no top do PÚBLICO, que pediu a dez personalidades da cultura para escolher os dez filmes nacionais que devem vir a integrar o Plano Nacional do Cinema (PNC). Entre as escolhas, Fernando Lopes foi o realizador com mais menções, logo atrás de Manoel de Oliveira.

Fernando Lopes foi internado na semana passada na Cruz Vermelha, em Lisboa, com uma pneumonia e, segundo fonte familiar disse ao PÚBLICO, estava muito magro e não conseguia comer. Há cerca de um ano, o realizador ficou a saber que tinha um cancro na garganta.

O corpo de Fernando Lopes vai estar em câmara ardente amanhã, quinta-feira, no Palácio Galveias, em Lisboa, entre as 18h e as 22h numa cerimónia laica. Na sexta-feira, o realizador vai ser cremado numa cerimónia privada.

Para o realizador Alberto Seixas Santos, Fernando Lopes definia-se apenas numa palavra: generoso."E essa generosidade ele passava-a para os filmes, e para o seu amor às pessoas", disse o realizador ao PÚBLICO.

"Fernando Lopes estará sempre entre os melhores dos melhores da história do cinema em Portugal, tendo lutado por um cinema mais realista, mais reflexivo e com mais corpo e conteúdo, tendo sido capaz de fazer muito com poucos recursos", escreveu em comunicado Francisco José Viegas, secretário de Estado da Cultura, defendendo que "os filmes de Fernando Lopes devem ser um antídoto contra o esquecimento, pelo cinema, pelo amor ao cinema". "Vê-los seria uma bela homenagem a Fernando Lopes e à extraordinária beleza do cinema que ele sempre procurou", conclui Viegas.

Da televisão para o cinema

Começou por trabalhar em televisão, ao entrar para a RTP no ano da inauguração, em 1957, e mais tarde, na década de 1980 foi fundador e director da RTP2. No entanto, foi no cinema que se destacou, dividindo-se entre o documentário e a ficção, tendo assinado mais de 50 obras.


Foi depois de se ter formado em cinema, pela London Film School, como bolseiro do Fundo de Cinema Nacional, que de regresso a Portugal realiza “Belarmino”, em 1964, sobre a vida do boxeaur Belarmino Fragoso. É considerado uma das suas maiores obras, uma referência no movimento que ficou conhecido como Cinema Novo.

Em 1965, fez um estágio em Hollywood, onde permanece três meses e quando regressa a Portugal filma “Uma Abelha na Chuva” (1972), adaptação do romance de Carlos de Oliveira. Protagonizado por Laura Soveral e João Guedes, conta a história de um casal e a viver num meio rural, retratando um ambiente social rígido, com as três classes - o povo, a aristocracia e a burguesia - bem demarcadas.

Fernando Lopes realizou ainda “Nós Por Cá Todos Bem” (1976), “Crónica dos Bons Malandros” (1983), “Matar Saudades” (1988) e “O Fio do Horizonte” (1993), sobre o funcionário de uma morgue que procura obsessivamente a identidade de um cadáver, adaptado da obra com o mesmo nome de António Tabucchi.

Em 2002, realiza “O Delfim”, a partir da obra de José Cardoso Pires, argumento escrito por Vasco Pulido Valente. Nas palavras do realizador na altura em que o filme chegou aos cinemas, foi “sobretudo um prodigioso pretexto cinematográfico para entender paixões e emoções, misérias e grandezas de um Portugal agonizante, em plena guerra colonial e com o seu ditador (Salazar) a morrer lentamente, como o país”.

Antes disso, em 1998, seguiu a coreografa Pina Bausch em “Lissabon Wuppertal Lisboa”, quando a sua companhia de dança esteve em Portugal para criar "Masurca Fogo".

Mais recentemente realizou “Lá Fora” (2004), “98 Octanas” (2006) e “Os Sorrisos do Destino” (2009), que terá sido o primeiro filme em formato digital de Fernando Lopes.

Este ano, em Março, chegou aos cinemas a sua última obra, “Em Câmara Lenta”, com produção de Paulo Branco. O filme, que tem argumento de Rui Cardoso Martins a partir do romance "Em câmara lenta", que o escritor e advogado Pedro Reis publicou em 2006, tem como protagonistas Rui Morrison, João Reis, Maria João Bastos e Maria João Luís.

Fernando Lopes viu o seu trabalho ser, por várias ocasiões, distinguido e premiado, tendo sido condecorado pelo Governo francês com a Ordem do Mérito Artístico e pelo então Presidente da República Mário Soares com a Ordem do Infante D. Henrique pelo seu contributo dado ao cinema.

O corpo de Fernando Lopes vai estar em câmara ardente amanhã, quinta-feira, no Palácio Galveias, em Lisboa, entre as 18h e as 22h numa cerimónia laica. Na sexta-feira, o realizador vai ser cremado numa cerimónia privada.

Filmografia

Em Câmara Lenta (2012)


Os Sorrisos do Destino (2009)


Ela por Ela (2006)


98 Octanas (2006)


Lá Fora (2004)


Tomai Lá do O'Neill (2004)


O Delfim (2002)


Cinema (2001)


Gérard, Fotógrafo (1998)


Lissabon Wuppertal Lisboa (1998)


O Fio do Horizonte (1993)


Matar Saudades (1988)


Crónica dos Bons Malandros (1984)


Lisboa (1979)


Nós por cá Todos Bem (1978)


Cantigamente (1976)


O Encoberto (1975)


Uma Abelha na Chuva (1972)


A Aventura Calculada (1972)


Nacionalidade: Português (1972)


Era Uma Vez... Amanhã (1972)


Vermelho, Amarelo e Verde (1969)


Hoje, Estreia (1967)


Tejo na Rota do Progresso (1967)


Cruzeiro do Sul (1966)


Se Deus Quiser (1966)


Belarmino (1964)


Rota do Progresso (1964)


As Palavras e os Fios (1962)


O Voo da Amizade (1962)


As Pedras e o Tempo (1961)


Notícia actualizada às 20h35