Liga dos Campeões

Mario Gómez perpetua a maldição do Real Madrid em Munique

A festa do primeiro golo do Bayern, apontado por Ribéry
Foto
A festa do primeiro golo do Bayern, apontado por Ribéry Foto: Michaela Rehle/Reuters

Bayern venceu por 2-1 no primeiro jogo das meias-finais da Champions. Uma vitória curta sobre a equipa de Madrid, que marcou um golo com assistência de Ronaldo.

O encontro da primeira mão das meias-finais da Liga dos Campeões entre Real Madrid e Bayern Munique encerrava vários desafios num só para a equipa de José Mourinho. Desde logo, por ser o primeiro de dois jogos decisivos para o acesso à final da Champions. E porque nas nove visitas oficiais anteriores a Munique, os merengues tinham um historial negro: apenas um empate e oito derrotas. A partida desta terça-feira, que terminou com a vitória dos anfitriões por 2-1, foi mais uma pincelada negra nesta relação.

Para juntar a isto, a partida surgiu numa semana importantíssima para o Real Madrid no que diz respeito às aspirações no campeonato. A formação orientada por Mourinho ocupa a liderança da classificação na Liga espanhola, com quatro pontos de vantagem sobre o Barcelona, sendo que no sábado os dois rivais se encontram Camp Nou.

Como se não bastasse, ainda antes do início do encontro o Real Madrid debateu-se com uma contrariedade extra. A notícia surgiu nos meios de comunicação espanhóis, quando faltava uma hora para o apito inicial: tinham sido roubados do balneário dos merengues seis pares de botas e algumas camisolas. Cristiano Ronaldo, a quem pertencia algum do equipamento, foi um dos jogadores afectados, assim como Benzema e Özil. O diário desportivo espanhol Marca escrevia que o Real Madrid fez queixa à UEFA pelo incidente.

Três portugueses titulares

Mas este episódio não abalou a motivação dos jogadores de José Mourinho, que foram superiores ao Bayern durante a primeira parte. O treinador português fez alinhar de início em Munique três internacionais portugueses: Fábio Coentrão foi a novidade, entrando para o lugar de Marcelo, a par de Pepe e Cristiano Ronaldo. Mas foram os alemães que regressaram aos balneários em vantagem no intervalo. Ribéry, após um canto, aproveitou um ressalto na área e bateu Casillas (17’).

O Real Madrid, que até foi a primeira equipa a criar perigo — Benzema viu Neuer fazer uma grande defesa logo aos sete minutos — esboçou uma reacção mas faltou tranquilidade e circulação de bola para conseguir contrariar o esquema montado por Jupp Heynckes. Cristiano Ronaldo, de livre, ficou longe da baliza de Neuer, e as oportunidades criadas pelos merengues não renderam golos.

O rumo dos eventos inverteu-se na segunda parte. A conversa que José Mourinho teve com os seus jogadores deu resultados e, aos 53’, o Real Madrid empatou. Primeiro foi Cristiano Ronaldo, lançado em velocidade, a permitir a defesa de Neuer, mas na sequência desse lance os merengues recuperaram a bola e Ronaldo deu a Özil, que só teve de encostar. Uma pequena traição do internacional alemão, que alinhou no Schalke 04 e no Werder Bremen antes de rumar a Espanha.

O Bayern nunca baixou os braços, e viria a retirar dividendos disso. Tinham a história do seu lado: o emblema bávaro nunca perdeu um encontro em casa, relativo à Liga dos Campeões, após marcar o primeiro golo (45 vitórias e sete empates).

Mourinho comprovou de maneira amarga no último minuto do encontro que o Bayern “joga como uma equipa”, como tinha dito antes da partida. Philipp Lahm, na direita, passou por Coentrão e encontrou Mario Gómez na área. O avançado (que aos 71’ desperdiçou uma oportunidade flagrante) antecipou-se aos defesas e recolocou o Bayern na frente do marcador.

O golo deu a vitória ao Bayern e garantiu que Munique continuará fora do mapa dos triunfos europeus do Real Madrid. Mas a eliminatória está completamente aberta: os alemães vão em vantagem para o encontro da segunda mão, enquanto o golo marcado fora dá algum conforto ao Real Madrid.

O histórico de duelos entre os dois emblemas mostra que, no Santiago Bernabéu, frente ao Bayern, os merengues venceram seis vezes, empataram uma e perderam duas. A última vez que o Bayern ganhou em Madrid foi em 2001. Para Mourinho há um precedente auspicioso na época 2001-02: o Real perdeu 2-1 na primeira mão, em Munique, mas ganhou 2-0, carimbando a passagem à final. E seria campeão europeu frente ao Bayer Leverkusen.

Notícia actualizada às 22h46