Assunção Cristas: na agricultura "não falta emprego, falta é gente para trabalhar”

Foto
Assunção Cristas, líder do CDS Pedro Cunha

A governante sublinhou que é preciso contrariar a ideia de que trabalhar neste sector “é uma vida de dificuldades” e passar a mensagem de que as pessoas “podem ganhar dinheiro e enriquecer”, concluindo que “não há falta de emprego na agricultura, falta é gente para trabalhar”.

Uma das soluções passa por garantir mais agricultores e “novas pessoas que sintam que há oportunidades”, razão pela qual o Governo está a disponibilizar terras do próprio Estado, com prioridade para os novos agricultores.

“Arranjamos verbas [através de fundos comunitários] e terra para cultivar”, salientou a ministra, convicta de que o caminho a percorrer passa “por produzir mais, aumentar o consumo interno e as exportações”.

Uma das áreas de oportunidade que destacou é a da produção biológica, que tem sido uma das apostas dos jovens agricultores, assinalou a governante.

O cadastro territorial e a valorização da produção nacional são dois desafios referidos por Assunção Cristas, que aproveitou para destacar a necessidade de “uma utilização mais eficiente da água, num dos países que possui uma menor área de regadio”.

Por outro lado, a governante reafirmou a intenção e a importância de, “brevemente”, passar a ser publicada no site do Ministério da Agricultura a margem de lucro dos vários elos da cadeia alimentar, procurando tornar mais transparente os valores praticados entre a produção e a distribuição.

As declarações de Assunção Cristas foram proferidas durante uma conferência em Leiria, organizada pela NERLEI – Associação Empresarial da Região de Leiria, intitulada “Novos desafios do Sector Agroalimentar – Uma Estratégia para o Crescimento da Economia Portuguesa”.