Andrea Alessandretti/Flickr
Foto
Andrea Alessandretti/Flickr

Movimento "Um Dia Sem Sapatos" chega esta terça-feira a Portugal

O objectivo é andar um dia sem sapatos para chamar atenção para milhões de pessoas que, todos os dias, não têm o que calçar. A iniciativa inclui ainda recolha de sapatos em Lisboa

Chega terça-feira a Portugal o movimento “One day without shoes” (um dia sem sapatos). A Praça do Comércio acolhe, entre as 11h e as 18h, um evento à escala mundial que pretende chamar atenção para as milhões de pessoas que, por falta de calçado, são obrigadas a andar com os pés nus ao longo de todo o ano. 

Em 2006, Blake Mycoskie, apercebeu-se que algumas crianças, na Argentina, não possuíam qualquer tipo de sapatos. Decidiu ajudar essas crianças e outras que, espalhadas pelo mundo, estivessem na mesma situação. Assim nasceu a empresa TOMS, que por cada par de calçado que vende em países desenvolvidos, oferece outro a alguém de um país em desenvolvimento.

Em 2012, este evento chega à baixa lisboeta, numa iniciativa da GaSNova, grupo de acção social fundado em 2001 na Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa, que tem como principal intuito aproximar a juventude “dos maiores desafios do mundo” e também “potenciar a geração de ideias e soluções inovadoras”, como explica na sua apresentação.

Angariação de sapatos

Pedro Afonso, presidente do GaSNova, explica, em comunicado, que “a ideia é aproximar a população de um dos maiores desafios do mundo e despertar a atenção de muitas pessoas através dos pés descalços. Queremos transmitir esta assimetria que muitas vezes cai no esquecimento: estima-se que se o mundo fosse uma aldeia de 100 pessoas, 40 não teriam sapatos”.

Ao contrário da TOMS, o GaSNova não vende calçado, portanto, a solução encontrada para contribuir para esta causa será recorrer a uma angariação de sapatos. Pequeno (grande) detalhe: a cada par de calçado doado será atribuído um número de registo através do qual é depois possível saber onde foi entregue. É esta a sua maneira de mobilizar a energia portuguesa para ajudar uma causa global.

Os sapatos ajudam na protecção contra lesões e na prevenção de doenças infecto-contagiosas transmissíveis através do solo. Quando uma criança percorre, com os pés descalços, dezenas de quilómetros para chegar à sua escola, surge-nos um claro exemplo de assimetria social. Nesta luta contra esta assimetria, as armas são: portugueses a caminharem descalços, pelas ruas e nos locais de trabalho, assim como a doação de sapatos e uma Marcha Sem Sapatos com início na Praça do Comércio e fim na Rua Augusta.