I Liga

E cinco meses depois, o Sporting regressou a casa feliz

A vitória do Sporting sobre a U. leiria foi obtida nos instantes finais do jogo
Foto
A vitória do Sporting sobre a U. leiria foi obtida nos instantes finais do jogo Foto: José Manuel Ribeiro/Reuters

Cinco meses depois, o Sporting voltou a ganhar longe de Alvalade, em jogos para o campeonato. A equipa de Ricardo Sá Pinto foi à Marinha Grande colocar um ponto final nesta série negra, batendo a União de Leiria com um golo de Matías Fernández nos últimos minutos da partida.

Os “leões” entraram em campo com muitas novidades no “onze” titular: apenas Rui Patrício, Daniel Carriço, Xandão e Insúa “sobreviveram” relativamente à equipa que venceu (2-1) o Metalist, na primeira mão dos quartos-de-final da Liga Europa na quinta-feira. Com este triunfo, o Sporting mantém a perseguição ao Marítimo, na luta pelo quarto lugar da classificação. Um ponto separa as duas equipas.

Foi preciso esperar até aos derradeiros instantes da partida para ver o golo que deu a vitória aos “leões”. Isto depois de uma primeira parte equilibrada e de um segundo tempo assim-assim, marcado pela chuva e por uma falha na iluminação do estádio da Marinha Grande, que obrigou à interrupção do encontro durante alguns minutos. Só quando Sá Pinto colocou em campo os habitualmente titulares Schaars, Matías Fernández e Wolfswinkel é que os “leões” quebraram a resistência leiriense. Na transformação de um livre, o chileno rematou rasteiro e junto ao poste, fora do alcance de Oblak.

O golo de Matías permitiu o regresso do Sporting às vitórias em jogos fora, para o campeonato. Desde Outubro, quando visitou e venceu o Feirense, o Sporting nunca mais tinha ganho longe de Alvalade. E tinha um registo muito discreto nesse período: nove golos sofridos e apenas dois marcados. Foram longas semanas a fazer quilómetros para regressar a casa infeliz.

As mudanças no “onze” inicial não impediram os “leões” de fazer uma boa primeira parte, pese embora o facto de terem jogado a ritmo reduzido. O flanco direito foi o mais dinâmico, com Arias bem no apoio a Carrillo. Foi por aí que foi construída a oportunidade mais flagrante do Sporting na primeira parte. Arias cruzou ao segundo poste, onde Insúa, com tudo para marcar, meteu mal o pé na bola e atirou por cima (23’). Já antes (6’) o lateral argentino tinha desperdiçado uma boa ocasião: apenas com Oblak pela frente, atirou para fora. A fechar a primeira parte, Renato Neto disparou de longe, para defesa do guarda-redes esloveno.

Os anfitriões espreitavam o contra-ataque, e por um par de vezes (4’ e 16’) Bruno Moraes ameaçou a baliza de Rui Patrício. Mas o internacional português evitou o golo.

A segunda parte trouxe a chuva, e a qualidade do jogo ressentiu-se. A partida caminhava para o final e não se vislumbravam golos. Mas a interrupção do jogo durante alguns minutos, por uma falha na iluminação do estádio, parece ter feito bem ao Sporting. Depois de um susto — Rui Patrício fez uma enorme defesa (85’) —, os “leões” aproximaram-se da área contrária dispostos a decidir o jogo. E o protagonismo pertenceu a Matías Fernández, que descobriu o segredo para bater Oblak. Ainda houve mais um susto (Djaniny, na cara de Rui Patrício, atirou à malha lateral), mas o triunfo não fugiu.

A FIGURAMatías Fernández

O chileno tem sido um dos jogadores em destaque nos “leões”. Com justiça, porque é de facto um dos elementos com mais influência no desempenho da equipa. Na Marinha Grande, Sá Pinto optou por dar-lhe descanso. Mas o técnico não teve outro remédio senão lançá-lo quando precisou de criatividade para quebrar a resistência leiriense. A aposta deu resultado e foi de Matías o único golo da partida. Deu a vitória ao Sporting e permitiu aos “leões” voltar a ganhar fora de casa, no campeonato, cinco meses depois. Foi o quarto golo do médio chileno na Liga, ele que já tinha marcado dois à U. Leiria, na primeira volta.


POSITIVOInsúa

Incansável, foi dos melhores no Sporting. Jogou como extremo-esquerdo, mas na segunda parte até trocou com Carrillo e esteve na direita. Desperdiçou duas boas oportunidades na primeira parte (6’ e 23’).


Rui Patrício

Mais uma boa exibição do internacional português. Teve trabalho logo a abrir o jogo (Bruno Moraes, aos 4’) e na segunda parte manteve a baliza inviolável com uma grande defesa, a livre de Marcos Paulo.


Cac

Tentou remar contra a maré, mas faltou-lhe apoio dos colegas de equipa para a União de Leiria levar mais do jogo.


NEGATIVORenato Neto e André Martins

Surgiram na equipa titular, mas foram os primeiros jogadores de que Sá Pinto abdicou quando foi preciso resolver o encontro. Não tão esclarecidos no meio-campo como seria necessário.


Ficha de Jogo

U. Leiria, 0


Sporting, 1


Estádio Municipal da Marinha Grande.
Assistência Cerca de 4000

U. Leiria
Oblak, Ivo Pinto, Haas l90+10’, Edson, Shaffer, Marco Soares, Keita (Barkroth, 62’), Marcos Paulo, John Ogu, Cacá (Elvis, 90+7’) e Bruno Moraes (Djaniny, 86’). Treinador José Dominguez
Sporting
Rui Patrício, Santiago Arias, Daniel Carriço, Xandão, Evaldo, Renato Neto (Schaars, 46’), Elias (Wolfswinkel, 90’), Carrillo, André Martins (Matias Fernández, 64’), Insua e Diego Rubio. Treinador Sá Pinto

Árbitro

Pedro Proença, de Lisboa.

Amarelo

Haas (90+10’).

Golos

0-1, por Matías, aos 90'+11'

Notícia actualizada às 23h09