Parlamento

PSD, CDS e PS chumbam audição do director dos serviços de informação

Alegado relatório do SIS avisava para "situação catastrófica" no dia da gereve geral.
Foto
Alegado relatório do SIS avisava para "situação catastrófica" no dia da gereve geral. Nuno Ferreira Santos

Os deputados do PSD, CDS e PS na comissão de Assuntos Constitucionais chumbaram esta quarta-feira a audição do director do SIS naquela comissão para explicar o “relatório confidencial” dos serviços de informação sobre cenários “catastróficos” para manifestações no dia da greve.

Segundo o deputado comunista António Filipe, o relatório, que é referido no Diário de Notícias de terça-feira, descreve um cenário que “quase faz lembrar a Guerra dos Mundos”, e argumentou a necessidade de aferir se o seu conteúdo “induziu” as forças de segurança na sua actuação durante o dia da greve geral, na passada quinta-feira.

Por outro lado, o deputado do PCP considerou que o cenário traçado é quase baseado num “palpite”, dada a alegada ausência de fundamentação, e disse ser um “enxovalho” para os serviços de informação que um relatório confidencial, que foi distribuído às forças de segurança, seja veiculado na comunicação social.

De acordo com o Diário de Notícias, “os cenários sugeridos pelo SIS eram catastróficos, apesar de admitirem no mesmo relatório que não tinham indícios concretos sobre o que estavam a dizer. Admitiam, por exemplo, a possibilidade de haver ruas ocupadas bem como edifícios bancários e instalações ministeriais atacados e alertavam que estes bloqueios podiam durar várias horas”.

A deputada do BE Cecília Honório apoiou a iniciativa do PCP, alegando a “necessidade de esclarecer se não foi por esta via que foi construído um cenário de apocalipse”.

A maioria PSD/CDS, que tinha acabado de viabilizar a audição do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, naquela comissão, para prestar esclarecimentos sobre a actuação das forças de segurança, que envolveram a agressão a dois fotojornalistas, recusou contudo este pedido.

“A existir esse relatório, terá sido enviado ao Ministério da Administração Interna”, afirmou o social-democrata Hugo Velosa, que questionou se “as notícias sobre o relatório não têm um grau de falsidade” e sublinhou igualmente que existe um conselho de fiscalização dos sistemas de informação.

Telmo Correia, pelo CDS, secundou os argumentos de Hugo Velosa, afirmou que “nem sempre aquilo que é reproduzido [nos jornais] é exactamente textual ou rigoroso” e considerou que António Filipe também “deu pouco mais do que um palpite” quando disse que um relatório que não tinha lido era “fantasioso e alarmista”.

O socialista Ricardo Rodrigues argumentou que quem deveria responder seria o conselho de fiscalização dos serviços de informação e não, em primeira linha, o director daqueles serviços.

A deputada socialista Isabel Moreira votou, contudo, favoravelmente o requerimento do PCP, justificando que o ministro da Administração Interna não tem a tutela dos serviços de informação (é o primeiro-ministro quem tutela directamente aqueles serviços) e, portanto, não poderá prestar os devidos esclarecimentos sobre o relatório.