Governo proibiu empresas públicas de transportes de falarem sobre a greve

Foto
A greve geral de ontem foi a primeira de Arménio Carlos, enquanto secretário-geral da CGTP RUI GAUDÊNCIO

Paralisação de ontem foi mais fraca do que a de Novembro em muitos sectores. Arménio Carlos, líder da CGTP, admitiu uma "mobilização difícil". O dia terminou com uma detenção e três feridos

O Governo tentou calar a greve de ontem, proibindo as transportadoras públicas de divulgar informação sobre os impactos da paralisação nos comboios, metro, barcos e até nos aeroportos. A orientação foi enviada na quarta-feira, por email, aos presidentes das empresas, impedindo-os de divulgar dados sobre os efeitos dos protestos ou sequer de falar no assunto.

O documento foi enviado na véspera da greve geral convocada pela CGTP, em protesto contra a revisão do Código do Trabalho e as medidas de austeridade, por um assessor do secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro. A missiva dava orientações às administrações das transportadoras para não entrarem em confronto público com os sindicatos sobre os números da greve.

O email proibia ainda estas empresas de dar informações sobre o nível de adesão, os constrangimentos causados ou qualquer outra matéria relacionada com a greve. Face a esta carta, e ao contrário do que era habitual, as empresas de transportes não fizeram o normal balanço da paralisação, recusando-se a fornecer dados que permitiriam aos utentes acompanhar os efeitos dos protestos.

Esta decisão surge depois de o Governo ter anunciado a suspensão da divulgação dos dados que habitualmente eram prestados sobre a adesão à greve no Estado - que só serão apresentados no final deste mês. O primeiro-ministro recusou comentar as manifestações, preferindo sublinhar "o esforço grande que o país de um modo geral tem vindo a fazer".

O Governo quis conter os danos mediáticos e políticos, mas o facto é que tudo aponta para que os impactos da paralisação de ontem tenham sido menores do que os da greve geral de Novembro passado, convocada, em conjunto, pela CGTP e UGT. O próprio líder da Intersindical, Arménio Carlos, admitiu, logo pela manhã, que "naturalmente a mobilização dos trabalhadores é difícil".

Esta dificuldade de "mobilizar" foi sentida na manifestação que levou à Assembleia da República poucas centenas de pessoas, a meio da tarde de ontem. No ano passado, só o movimento 15 de Outubro conseguiu levar cerca de 2000 pessoas a São Bento, tendo os protestos resultado em sete detenções e um ferido. Este ano, registou-se apenas uma detenção e três feridos, após confrontos com a polícia, no Largo do Chiado, em Lisboa. No Porto, houve igualmente violência e detenções.

Os desacatos começaram ao início da tarde, quando cerca de 150 manifestantes desfilavam p