Na Bacia de Campos

Executivos da Chevron impedidos de sair do Brasil depois de nova poluição

Plataforma petrolífera da Chevron na Bacia de Campos
Foto
Plataforma petrolífera da Chevron na Bacia de Campos Márcia Foletto/AFP

Dezassete executivos da Chevron e da Transocean estão impedidos de sair do Brasil sem autorização, numa altura em que a Justiça brasileira vai instaurar um processo criminal depois de uma nova fuga na Bacia de Campos.

A Chevron identificou, na semana passada, uma fuga que diz ser mínima (cinco litros) mas que as autoridades brasileiras acreditam ser muito mais. A Marinha brasileira informou no sábado que a mancha tem cerca de um quilómetro de extensão.

Segundo o jornal O Globo, a polícia federal já foi accionada e os 17 envolvidos terão de entregar “oportunamente” os seus passaportes. A medida justifica-se com a investigação a decorrer para apurar responsabilidades num possível crime contra o Ambiente. Esta fuga, identificada a 4 de Março, fica perto de uma outra, ocorrida a 9 de Novembro de 2011, ambas na Bacia de Campos. A poluição de Novembro lançou para as águas do Atlântico o equivalente a 3000 barris de petróleo.

Na sexta-feira, a Chevron anunciou a suspensão de toda a sua actividade petrolífera no Brasil, para apurar as causas da fuga. No mesmo dia, o procurador da República Eduardo Santos de Oliveira anunciou que vai indiciar criminalmente os envolvidos nos dois derrames, ocorridos no espaço de quatro meses.

Noutra frente, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) notificou a petrolífera e exigiu que, até terça-feira, esta explique com detalhe o que fez para conter o problema ambiental, noticiou ainda o jornal O Globo. Este instituto – que está a investigar a origem da fuga - diz ter recebido um comunicado da Chevron, a 13 de Março, onde o informava da identificação de “três pontos de afloramento localizados a 3000 metros a leste do poço onde ocorreu o vazamento em Novembro de 2011”.