Passaporte emprego para empregar até 91 mil jovens P3
Foto
Passaporte emprego para empregar até 91 mil jovens P3

"Passaporte emprego" para empregar até 91 mil jovens

Se Bruxelas for generosa, o Governo prevê alocar 335 milhões de euros ao "passaporte emprego" e assim beneficiar 91 mil jovens

O Governo propôs à Comissão Europeia a atribuição de bolsas a empresas que promovam estágios profissionais e empreguem esses estagiários, uma medida que poderá beneficiar 91 mil jovens desempregados, mas que ainda depende do apoio de Bruxelas.

A medida defendida pelo Governo — denominada "passaporte emprego" — faz parte do documento hoje enviado ao presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, e aos parceiros sociais, e destina-se a criar estágios profissionais para desempregados com idade compreendida entre os 16 aos 34 anos independentemente do seu nível de escolaridade.

Todavia, o Governo esclarece que apenas os desempregados inscritos nos Centros de Emprego há pelo menos quatro meses poderão ser abrangidos pelo "passaporte emprego", independentemente de se tratar de um jovem desempregado à procura do primeiro emprego ou de um novo emprego.

Para que o "passaporte emprego" possa avançar, há, no entanto, que contar com o apoio de Bruxelas. Primeiro a Comissão Europeia terá de autorizar a reprogramação das verbas comunitárias atribuídas a Portugal. Se tal acontecer, o Governo propõe-se a alocar 140 milhões de euros a esta iniciativa o que, segundo as contas do executivo, poderia beneficiar 35.500 jovens.

Se Bruxelas for mais generosa e reforçar as verbas atribuídas a Portugal, então, o Governo prevê alocar 335 milhões de euros ao "passaporte emprego" e assim beneficiar 91 mil jovens, 50 por cento dos inscritos no IEFP.

Só com estas condições satisfeitas e quando estiverem satisfeitas é que a medida avançará. A partir desse momento, será atribuída uma “bolsa de apoio” à entidade empregadora, diferenciada por grau académico.

No caso dos doutorados, esta bolsa será equivalente a 3 IAS (Indexante de Apoio Social), ou seja 1.257,66 euros por mês para um período de estágio de um ano. Já no caso dos mestres e licenciados, a bolsa será equivalente a 1,5 IAS (628,83 euros) para um período de estágio de seis meses. No caso de um jovem com o ensino secundário completo, a uma bolsa será equivalente a 1,25 IAS (524,03 euros) para um período de estágio de seis meses, mas caso o ensino secundário esteja completo, o valor da bolsa será equivalente a 1 IAS (419,22 euros) para um período de estágio de seis meses.

Prémio de integração

De acordo com o documento, o Governo refere ainda que as bolsas serão comparticipadas na sua totalidade, restando como encargos da responsabilidade da entidade empregadora o subsídio de alimentação e de transporte, bem como o seguro obrigatório de acidentes de trabalho.

Caso as empresas garantam a empregabilidade futura dos jovens estagiários, o Governo pretende criar “um prémio de integração após conclusão do período de estágio”, isto é, após a conclusão do estágio, caso ocorra a celebração de um contrato de trabalho, com a duração mínima de dois anos, “haverá lugar a prémio de integração de montante idêntico ao atribuído durante o estágio”.

Sugerir correcção