Liga

Nono triunfo seguido deixa Sp. Braga perto do duo de líderes

Hugo Viana voltou a ser decisivo, ao assistir para os dois primeiros golos
Foto
Hugo Viana voltou a ser decisivo, ao assistir para os dois primeiros golos Foto: Miguel Riopa/AFP

O clássico entre Benfica e FC Porto, na sexta-feira, vai ter um espectador confortável colado à televisão. O Sporting de Braga está na luta pelo título, depois de ter somado o nono triunfo consecutivo no campeonato (4-0, frente ao Vitória de Guimarães), colocando-se a três pontos do duo que lidera a Liga.

Há muitos anos que o Sp. Braga não tinha um derby tão fácil. A distância que se cavou entre os dois rivais do Minho nos últimos tempos costuma esbater-se nos confrontos directos, mas a noite desta segunda-feira foi descansada para os adeptos “arsenalistas”. Dois erros clamorosos do guarda-redes Nilson deram outros tantos golos madrugadores à equipa de Leonardo Jardim. E a expulsão de Freire, à meia hora, sentenciou uma partida cujo vencedor não chegou a estar propriamente em discussão.

Já se sabe que Leonardo Jardim prefere um tipo de futebol que privilegia a segurança defensiva e as transições rápidas. Tratando-se de um jogo especial, o técnico optou pela solidez de Ruben Amorim no meio-campo, em detrimento de Mossoró. O Vitória de Guimarães começou o jogo praticamente com o mesmo “onze” que tinha derrotado o Benfica uma semana antes, mas a troca forçada de João Paulo por Freire no eixo da defesa abalou a consistência vitoriana.

Logo no primeiro minuto de jogo, o defesa do Vitória Defendi falhou um corte na área e deixou Lima em posição privilegiada, mas Alex fez um corte providencial. Três minutos depois, num livre a meio-campo, Hugo Viana bateu tenso e o guarda-redes Nilson errou o tempo de saída, deixando Elderson à vontade para inaugurar o marcador, com um golo de cabeça.

Respondeu o Vitória, aos 10 minutos, num livre cobrado por Teles, que Freire desvia de cabeça, para uma grande intervenção de Quim, mas foi praticamente o único lance de perigo que se viu aos vimaranenses durante o encontro – a este, juntou-se apenas um corte em cima de linha de golo de Douglão, sobre o intervalo.

Não passou muito tempo até que os vitorianos facilitassem mais a vida ao adversário e praticamente acabassem com a discussão do jogo. Custódio, que há um ano e meio tinha sido dispensado pelo V. Guimarães, fez de cabeça o segundo golo do Sp. Braga (18’), aproveitando novo erro de Nilson na saída a um canto cobrado por Viana. Se as coisas já estavam difíceis para o Vitória, ficaram ainda pior quando Freire foi expulso, na sequência de um lance em que pisa Hélder Barbosa sobre a linha de fundo.

O Sp. Braga aproveitou a desconcentração contrária e passou a controlar confortavelmente o jogo. Foi, assim, acumulando oportunidades de golo, especialmente através do brasileiro Lima (33’, 47’ e 61’). O avançado foi desperdiçando ocasiões, mas, de grande penalidade (a castigar falta de N’ Diaye) conseguiu fazer o 15.º golo da temporada, isolando-se desta forma no topo da lista de melhores marcadores. Antes do final do jogo, Ukra ainda teve tempo de avolumar o resultado com um remate cruzado, que consolidou a goleada bracarense.

PositivoHugo Viana

É pelos pés do médio canhoto que passa a definição de todo o futebol do Sp. Braga. A toada contida em que Leonardo Jardim aposta valoriza a sua geometria e, especialmente, a capacidade de cobrar lances de bola parada. E foi assim que Viana fez a assistência para os dois primeiros golos arsenalistas.

Negativo

Nilson

O guarda-redes vitoriano é habitualmente um dos elementos mais fiáveis da equipa e um dos mais seguros da Liga na sua posição. Esta noite, facilitou o triunfo adversário com duas falhas nas saídas a cruzamentos que resultaram noutros tantos golos. Os erros aconteceram demasiado cedo e o Vitória nunca se encontrou.

Ficha de jogo

Sp. Braga,


4

V. Guimarães,


0

Jogo no Estádio Axa, em Braga.

Sp. Braga

Quim, Salino (Ukra, 83’), Nuno André Coelho, Douglão, Elderson, Custódio, H. Viana, Rúben Amorim, P. César (Mossoró, 67’), Hélder Barbosa (N. Gomes, 89’) e Lima.

Treinador

Leonardo Jardim.

V. Guimarães

Nilson, Alex, Freire, Defendi, Bruno Teles, Leonel Olímpio, João Alves (Nuno Assis, 73’), Paulo Sérgio (N’Diaye, 39’), Barrientos (Urreta, 46’), Toscano e Edgar.

Treinador

Rui Vitória.

Árbitro

João Capela, de Lisboa.

Amarelos

Ruben Amorim (40’), Douglão (65’), N’Diaye (76’).

Vermelhos

Freire (31’).

Golos

1-0, por Elderson, aos 4’; 2-0, por Custódio, aos 19’; 3-0, por Lima (g.p.), aos 77’; 4-0, por Ukra, aos 88’.