Estudo da Universidade de Aveiro alerta para problema de águas residuais

Esgotos devem ter tratamento terciário para matar bactérias multirresistentes

As bactérias multirresistentes persistem ao tratamento secundário nas estações de tratamento
Foto
As bactérias multirresistentes persistem ao tratamento secundário nas estações de tratamento Hugo Delgado (arquivo)

Águas residuais urbanas tratadas nas respectivas estações podem disseminar bactérias multirresistentes a antibióticos que não são eliminadas no tratamento secundário que é feito, alerta uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA).

Segundo explicou Alexandra Moura, do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) da Universidade de Aveiro, em Portugal só uma minoria das estações faz o tratamento terciário.

É o caso da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) do Freixo, no Porto, que já tem processos de ozonação e aplicação de lâmpadas de raios ultra-violeta. Mas a generalidade das estações de tratamento de águas residuais do país apenas faz o tratamento secundário, devido aos custos.

A equipa de investigadores do CESAM, de que Alexandra Moura faz parte, em artigo científico publicado no Research in Microbiology e considerado de ‘especial interesse’ pelo portal Global Medical Discovery, sublinha a necessidade da aplicação de normas em Portugal e na Europa que obriguem à quantificação de genes e bactérias multirresistentes a antibióticos após tratamento de águas residuais, contribuindo assim para evitar a sua proliferação no ambiente.

O artigo destaca o papel das águas residuais urbanas como veículo de disseminação de bactérias multirresistentes a antibióticos e sublinha a necessidade de aplicar métodos de eliminação destes agentes, que subsistem mesmo após o tratamento secundário.

A solução passaria pela aplicação do tratamento terciário que, na versão plena, envolve remoção de nutrientes e eliminação de bactérias, mas são tecnologias dispendiosas, reconhece a investigadora.

“Há poucas estações que façam o tratamento terciário, mesmo na Europa. Na impossibilidade de o fazer, a alternativa passa por optimizar os parâmetros de tratamento naquelas que só têm tratamento secundário, aumentando os tempos de retenção e diminuindo a concentração de oxigénio”, explicou à Lusa.

Apesar de haver estudos que provam que essa alternativa “tem algum efeito na diminuição dos genes de resistência a antibióticos”, Alexandra Moura adverte que tal solução nem sempre é fácil porque depende da dimensão do caudal que a ETAR recebe. “Se forem caudais muito grandes, tempos de retenção muito longos também afectam depois a capacidade tratamento da ETAR, pelo que é complicado”, esclarece.

Mesmo em sistemas que lançam o efluente tratado no mar, a presença dessas bactérias não é eliminada, mas apenas dispersa, mas é nas estações de tratamento que descarregam para os rios que o risco é maior, até pela possível utilização posterior dessas águas para rega agrícola.

“O que influencia mais é o tipo de efluente que a ETAR recebe. Nos domésticos e de origem animal há maior prevalência”, diz a investigadora, salientando que é urgente haver monitorização e controlo das águas residuais pós-tratamento em ETAR.

O estudo coordenado por António Correia, professor do Departamento de Biologia da UA e investigador do CESAM, identificou ainda novas sequências de genes envolvidos na resistência a antibióticos e virulência bacteriana.

As bactérias multirresistentes são bactérias que simultaneamente resistem a antibióticos de vários grupos químicos e algumas persistem após o habitual tratamento secundário nas estações de tratamento, pelo que a presença de genes e bactérias multirresistentes em efluentes tratados pode levar à sua dispersão noutros ambientes aquáticos e eventualmente meios agrícolas.