A dança contemporânea na companhia israelita KibbutzDR
Foto
A dança contemporânea na companhia israelita KibbutzDR

Daniel Costa, um português a dançar na Kibbutz

O bailarino está onde quer, em Israel. Mas nem por isso se atreve a aconselhar alguém a sair de Portugal

Daniel Costa começou a dançar aos 17 anos, tarde para o normal, mas os “pontapés do destino”, o apoio dos pais e perseverança transformaram-no no primeiro português no elenco principal da companhia israelita de dança contemporânea Kibbutz.

Nascido no Porto e actualmente com 29 anos, Daniel Costa bailou por muitas actividades (piano, hipismo, natação e até mesmo artes marciais) até descobrir, aos 17 anos, a dança, uma paixão que se transformou numa profissão a tempo inteiro e que o fez “deixar de parte” um curso de engenharia que não era para ele, seguramente.

“Se eu pudesse mudar alguma coisa, tinha começado a dançar mais cedo”, confessa à Agência Lusa, numa entrevista durante uma visita a Portugal, antes de partir para as digressões internacionais da companhia de dança contemporânea Kibbutz, em Israel.

Aos 20 anos, depois de conseguir “convencer” os pais a seguir dança — recorda, com um sorriso, na cara o dia em que mãe lhe perguntou "acho isso interessantíssimo mas em que é que vais trabalhar?" — Daniel carimbou o passaporte para a Holanda, país onde estudou quatro anos na Codarts, em Roterdão, e trabalhou outros quatro, já em Amesterdão, com dois coreógrafos.

Admitindo que, desde o início, a Holanda nunca foi um país com que se tivesse identificado, o bailarino procurava um “país mais quente e mais mediterrâneo”, mas realça a dificuldade em encontrar trabalho nos países latinos. “O que é que nós temos aqui? Muito pouco, não é?”.

Um pontapé no destino

E é nesta fase da vida de Daniel que os “pontapés do destino”, como o próprio diz, dão o empurrãozinho necessário para qualquer carreira de sucesso e o fazem chegar ao Kibbutz, “uma companhia super conhecida no mundo da dança” e com a qual é difícil uma pessoa não se cruzar.

“Numa terça-feira disseram-me que fosse a Israel na sexta, porque tinham vendido uma peça e precisavam de alguém que fosse ensaiar. Eu aceitei. Cheguei, ensaiei, gostei do ambiente, tive oportunidade de me cruzar com as pessoas e mostrei o meu interesse ao director e ele pegou em mim. Foi mesmo simples. Foi mesmo fácil”, descreve, com uma naturalidade que faz acreditar que ser o primeiro português na companhia principal do Kibbutz foi, de facto, “fácil e simples”.

Em Israel, tratam-no como “europeu”, Daniel considera que aquilo que falta na dança em Portugal é aquilo que falta nos outros campos neste momento, “estabilidade”, criticando aquilo que fizeram à Gulbenkian.

O bailarino, que ensaia uma média de sete horas por dia, não se atreve a aconselhar alguém a sair de Portugal. "Não é fácil comer a comida da mamã só uma vez por ano”, garante. E quando lhe perguntamos se tem algum sonho no mundo da dança... "Tenho a sorte, neste momento, de poder dizer que estou onde quero estar”.

Sugerir correcção